sexta-feira, 30 de março de 2012

My poem XIII



Toque de uma mulher é de arrepiar
Uma que o seja verdadeiramente
Não se entrega cegamente
Sabe a altura certa aguardar

Na qual os sentidos possa explorar
De uma forma confiante
Induzindo prazer inebriante
Desde o mais singelo beijar

Sente-se o carinho no seu olhar
Mesmo quando é penetrante
Toca-nos de modo desconcertante
Colocando o ritmo a acelerar

Ansiando o seu aproximar
Com o desconhecido daí resultante
Surgindo a cada instante
Desejando o seu tocar

Daquela que sabe estar
Segura de si mas confortante
Que leve ao auge fulgurante
Que todos querem encontrar


Fox

quarta-feira, 28 de março de 2012

Good movie? Hell yeah VII



Bem hoje este post será ligeiramente diferente, pois será um aviso para quem quiser ver um filme que retrata uma bonita história de amor, que irá passar hoje no canal Hollywood, às 21h30.
Chama-se Sweet November, já tem uns anos mas um filme quando é bom também o será passado uns anos, assim para quem não viu, aqui está uma boa oportunidade de passar um bom serão.
Quanto a mim irei revê-lo novamente, pois aprecio imenso.


Fox

terça-feira, 27 de março de 2012

Left a friend



Não é algo de que me orgulhe, mas é mais uma situação que faz parte do meu passado.
Existem complicações que conseguimos manobrar, negociar, resolver, mas algumas para além dessas, têm forçosamente de ser obliteradas.
Era um grande amigo que cometeu um único erro, estilhaçou-me a confiança, mas o Fox não perdoa.
Se terá sido razão suficiente para o afastar? Sim foi, traiu-me a partir do momento em que tentou entrar em campos que não lhe pertenciam.

O R. não seria o que as mulheres consideram agradável à vista, mas como dizem “Deus dá o corpo não dá o génio” e o vice versa também se aplica, sendo que ele recebeu o dom da palavra.
Eu sabia. O Fox é perspicaz, vê sempre mais longe.
Sabia que aquele individuo, solto atrás de um numero de telemóvel, de um email ou de um chat, fazia estragos com as palavras, conhecia-o bem demais. Sun Tzu sempre “me” disse para conhecer a mim e ao inimigo.

Por vezes saia com a ex e ele também ia, saída normal de amigos, inocente, mas o Fox nunca é inocente, assim controla as variantes que possam surgir inesperadamente.
Até à altura em que tem a primeira crise dos três anos, ficando tudo diferente, enquanto permanecia tudo muito igual.
Stress laboral? Monotonia relacional? Programação de DNA? Cansaço emocional? Falta de interesse? Ausência de compreensão? Não sei, foi tudo, foi nada, foi alguma coisa.

Para não maçar com muitas frases quem lê os meus textos, irei continuar esta aventura num próximo post, ou não.


Fox

domingo, 25 de março de 2012

Black day



O brilho desvanece dos olhos. A chama abranda no coração. O sorriso desaparece dos lábios. A força dissipa-se dos braços. Nunca mais é o que foi. Não é vida. É sobrevivência.

Quem já não teve assim obscuros dias, em que mais não apetece, do que cair num cerrado sono que nos deixe numa hibernação sem fim.

Desligando a consciência que ciclicamente nos massacra, com constatações daquilo que não possuímos, daquilo que não atingimos, daquilo que não somos, quando queríamos possuir, atingir e ser.

Vindo assim a verdade a tomar uma forma em perfeita consistência, de que sem um motivo válido, não vale a pena.

Better to die for something, than live for nothing”.


Fox

sábado, 24 de março de 2012

My poem XII



Um dia terá que sarar
A ferida que está a doer
Quanto tempo irá levar
Só depende de quem está a sofrer

Palavra amiga deve ajudar
Mas só o tempo o corte irá coser
Quem sabe para novamente rasgar
Quando outro alguém se voltar a perder

Será loucura assim o pensar
Ou o caminho certo a percorrer
Nunca se sabe onde isto irá levar
Mas é algo que tem de se fazer

Pobre daquele que nunca sonhar
Que plena felicidade pode ainda obter
Por mais derrotas se venham a acumular
Tudo de bom ainda poderá acontecer


Fox

quinta-feira, 22 de março de 2012

Why?


Já acumulas a sapiência de umas décadas de vida, no entanto prevaleces no erro de querer dar mais aos outros, que aquilo que te querem dar. Sempre o mesmo erro!

Porquê não aprendes?!

Já por inúmeras vezes foste magoado, não sendo correctamente compreendido, quando apenas terias boas intenções em ajudar terceiros. Sempre a mesma dor!

Porquê continuas?!

Já procuraste vezes sem conta possível, respostas que nunca te surgem, duvidas aglomeram-se num emaranhado, que apenas detêm a capacidade de te aumentar a carga sobre os ombros. Sempre o mesmo castigo!

Porquê? Porquê Fox?!


Fox

segunda-feira, 19 de março de 2012

Music everywhere XI


Heroes del Silencio - Heroe de leyenda

Siempre en la oscuridad 
la voz no tiene sentido. 
el silencio lo es todo. 
héroe en su propio olvido. 
en sus ojos apagados 
hay un eterno castigo, 
el héroe de leyenda 
pertenece al sueño 
de un destino. 
Encerrado en el tiempo 
ha perdido el valor 
para escapar de su celda 
el héroe sin ilusión. 
en sus ojos apagados 
hay un eterno castigo, 
el héroe de leyenda 
pertenece al sueño 
de un destino. 
En sus ojos apagados 
hay un eterno castigo, 
el héroe de leyenda 
pertenece al sueño 
de un destino.


Fox

domingo, 18 de março de 2012

Good movie? Hell yeah VI



Trago hoje mais um trailer que me chamou a atenção, desta feita pela mão de Tim Burton.
Chama-se Dark Shadows, sendo esta uma historia pouco comum acerca de um vampiro e o seu retorno à sociedade alguns séculos depois da sua morte.
Presumo que seja um filme para ver em ambiente de bom humor, com um rol de excelentes atores, destacando o papel de Johnny Depp, que se me parece numa grande evidencia de qualidade representativa.


Fox

sábado, 17 de março de 2012

Raining day


Bahhh!

Odeio.

A sério.

Sábado?

Ainda pior!

Já de mim consigo ter mau acordar se não dormir bastante, mas se acordo a um Sábado com chuva, ai sim fico tremendamente "piurso".
Devia só chover entre Segunda e Quinta feira, creio que seria bem mais prático para todos nós, aumentando o nosso bom-humor e contribuindo para um melhor bem estar geral da população. 
Mas não foi isso que aconteceu, tivemos bons dias durante a semana, chegando ao fim de semana e sucede o que vemos, é Sábado, está a chover, porra, já estou "piurso".
Parece-me é que em sintonia com o que fazem os ursos durante o inverno, vou hibernar, mas numa sessão prolongada de cinema, para variar...
Odeio estes dias que nos extinguem a alegria de fazer algo de interessante. 

E vocês como vão ocupar este triste dia?


Fox

sexta-feira, 16 de março de 2012

The one that got away II



Pois é tal como escrevi no outro post, apareceu a B. na minha vida numa altura em que possivelmente estaria mais frágil, saturado, cansado, desiludido, whatever, era a segunda crise dos três anos em pleno curso, eu já estava pelas pontas com as ameaças de suicídio e tudo o resto.
Ninguém será de ferro, eu muito menos, sou compreensivo, dou margem de erro, mas já estava a perder o “grip” mental por completo.
Só de imaginar ameaças loucas de quem me deveria amar é doentio, até ter medo da reação dela a qualquer pequeno ato meu. Assim não dava mais. Por isso me afastei.

Enquanto me afasto, apareceu a B. nesta janela de oportunidade e “apanhou-me” suavemente, só dando eu conta quando já estava “metido nelas”, ainda hoje me pergunto como é que tudo aconteceu.
Era uma lufada de ar fresco, um rol de novas qualidades que a ex não tinha, todo um mundo novo que nos demonstra, que existe sempre alguém para lá de alguém.
Saímos várias vezes, muitos cafés foram tomados, enquanto tínhamos longas conversas, muitas brincadeiras, ela gostava muito de me “picar”, muitos beijos, “amaços” e outros que tais.
No fundo o normal de qualquer inicio de relação, ainda que esta estivesse desde cedo marcada...

Ambos partilhamos o gosto por cinema, fomos algumas vezes, não me perguntem os filmes porque pouco deles vi...
Entre nós era sempre tudo muito lindo nos “amaços” em “publico”, mas numa das idas ao cinema foi um pouco mais complicado que isso. Parece que era novidade para ambos a novidade em si, de um lado a experiência, do outro a falta dela.
Sem grande numero de pessoas nas sala, a proximidade, o escuro, o sangue “fresco na guelra”, os pequenos atrevimentos dela, tudo fornece o combustível necessário para o fogo se instalar e propagar.
Os “amaços” começam a subir de tom e quando já me tinha dado conta, alguém já tinha o soutien desapertado...


Fox

quinta-feira, 15 de março de 2012

My poem XI



Trago já comigo a saudade
De te ver a sorrir
Ainda à pouco em tranquilidade
Te deixei na cama a dormir

Arrancou-me dai a necessidade
Da ocupação laboral cumprir
Mas trago na memoria a intensidade
Do que mutuamente fizemos explodir

Como adoro esta nossa intimidade
E o quão maravilhoso me faz sentir
Espero que o sintas em igualdade
Tento sempre isso te transmitir

Amo a tua graciosa simplicidade
E a energia que consegues emitir
Amo a tua simples graciosidade
E a felicidade que me consegues induzir

A minha mente voa em liberdade
E ao passado vai conseguir
Imagens do teu corpo sem vaidade
Ao qual nunca consigo resistir

Conto assim as horas com ansiedade
Não conseguindo isso omitir
Desejo tempo de qualidade
Quando no teu abraço cair

Encantado com tal beldade
Do teu regaço não desejo sair
Quero fazer do momento uma raridade
E a tudo neste enlace me permitir


Fox

quarta-feira, 14 de março de 2012

Sweet coffee



Pois é, tive há dias um convite agradável para ir tomar café, com a B., mais a F., e também a L..
Terá sido uma ideia oriunda da F., mas que conseguiu reunir um grupo interessante, para se passar cerca de 1h30 em grande risota.
Sendo que assim finalmente consegui rever a B.! Após um ano e uns meses passarem desde a ultima vez que a vi, parece que o namorado não se encontrava na zona, e lá apareceu, típico das mulheres...

Gostei de a rever, é sempre bom estar com quem possuímos intimidade, é uma sensação diferente.
Em especial, apreciei imenso poder voltar a ver o brilho daqueles olhos azuis celestiais que a B. possui...
Foi um serão bem mais curto do que o que eu esperava, mas ainda assim deu para se conversar um pouco com estas senhoras espetaculares, de quem muito gosto.
Apenas tenho pena que só apareçam assim disponíveis, quando não namoram ou não tem os namorados por perto, aborrece-me imensamente esse aspeto.


Fox

terça-feira, 13 de março de 2012

Good movie? Hell yeah V



Ultimamente não tenho sido muito regular no cinema, para quem antigamente ia todas as semanas, ando a falhar.
Mas apeteceu-me ir e agarrar uma oportunidade de passar umas boas horas a ver um filme, assim a escolha recaiu sobre este, Contraband.
O trailer prometia, o rol de atores era bastante bom, todos eles com imensas provas dadas no mundo do cinema, mas não foi assim um enredo que me prendesse muito.
Talvez por ser um pouco previsível, ou terei sido eu que já vi tantos que não será qualquer um a conseguir convencer.

Alguém por aqui o viu?


Fox

segunda-feira, 12 de março de 2012

Music everywhere X


Para inverter a "neura" do arranque de trabalho numa segunda feira, nada melhor do que uma música divertida.
Assim hoje trago-vos algo completamente diferente, mas que se insere completamente na intenção de colocar um sorriso na cara.
Pelo menos eu não consigo ficar triste ao ouvir esta música, mesmo que ainda não entenda muito bem a língua.
Pois, só mesmo o Fox para vos trazer algo assim, mas ouçam até ao fim, acho que irão gostar.

Yo King - Tooi Nioi


Fox

Challenge



Hoje e para variar um pouco, não será nenhuma das minhas aventuras mais obscenas que tanto vos choca, mas a resposta a um desafio da Isa E. do blog Diario de um ano bom .
Assim as regras impostas seriam estas:
  1. Escrever 11 fatos aleatórios sobre mim
  2. Responder às perguntas que foram propostas e criar 11 novas perguntas para as próximas pessoas
  3. Escolher as próximas pessoas e colocar o link
  4. Ir à página delas e dizer que lhes foi proposto este desafio
  5. Nada de taggs de volta
  6. Postar o conjunto de informações relativamente ao que o desafio consiste

Ora então começando, onze fatos aleatórios sobre mim:

1. Eterno romântico, num mundo sem lugar para esses aspetos.
2. Adoro uma boa leitura.
3. Ainda acalento o sonho de ir a Veneza com ela...
4. Tenho um acordar horrível.
5. Gosto muito de cozinhar receitas italianas.
6. Não suporto estar só.
7. Sou realista em demasia.
8. Amo o cinema.
9. Motard por pura paixão.
10. A sinceridade já me arranjou problemas.
11. Sou regularmente mal interpretado.


As perguntas da Isa E.:
1. Qual música poderia ser o tema de sua vida? Imensas, mas neste momento a que mais lógica teria segundo todos os aspetos, será a Adele – Someone like you.
2. Qual personagem de filme ou livro mais se parece com você? Tarefa complexa essa, mas talvez Tyrion, da saga Song of Ice and Fire. I have more than it can meet the eye.
3. Se tivesse o poder de escolher um único dom, qual seria? Não sei se se poderá considerar um dom ou capacidade, mas seria o de voar.
4. De todos os acontecimentos mundiais, qual mais entristece você? Verificar os tristes resultados que esta crise tem gerado a nível mundial, sem expectativas imediatas de resolução.
5. De todos os acontecimentos mundiais, qual deixa você mais feliz? Sinceramente nenhum me consegue deixar feliz, nada de bom se tem passado ultimamente, antes pelo contrario tenho a sensação que ainda irá piorar.
6. Qual a qualidade que mais aprecia em uma pessoa? Honestidade.
7. Qual é a comida que sabe fazer melhor? Pasta italiana, adoro a cozinha mediterrânica daquele país.
8. Qual o seu maior defeito? Talvez a teimosia.
9. E sua maior qualidade? Sentido de responsabilidade.
10. Pensa mais no futuro ou no passado? O futuro é sempre uma incógnita, o passado já o vivi e experimentei, dou assim por mim a relembrar o que de melhor já tive.
11. Qual mensagem mandaria para o mar dentro de uma garrafa? Sem Amor esta vida não fará qualquer sentido, por favor, Ame.


Para as minhas perguntas a serem respondidas, escolho estas:
  1. Livro favorito de sempre?
  2. Lugar de sonho para estar a dois?
  3. Teme a morte?
  4. Sonho ainda por realizar?
  5. Maior receio?
  6. Se o mundo terminasse amanhã o que faria hoje?
  7. Qualidade mais apreciada em terceiros?
  8. Maior desejo?
  9. Filme favorito de sempre?
  10. O que mudava no mundo?
  11. Acha que encontrará o Amor da sua vida?

Não tenho seguido muitos mais blogues, visto que os outros já responderam, apenas posso enviar a estes, sabendo de antemão que a Bombocaa, não vai responder, mas tento na mesma:


Não há mal que dure cem anos...

2 Esquerdo


Fox

sábado, 10 de março de 2012

Seven sins



Achei curiosa a ideia lançada pela Isa E.no seu blog, acerca da forma como veremos os sete pecados capitais.
Segundo entendi, deveríamos falar sobre os mesmos segundo o nosso ponto de vista e identificar se neles caímos em tentação ou não.
Assim teríamos como apresentação dos mesmos, o seguinte:
  • Gula
  • Avareza
  • Luxuria
  • Ira
  • Inveja
  • Preguiça
  • Orgulho

Gula, não possuo nada mesmo, apenas me alimento na medida do essencial para a sobrevivência enquanto humano. Não retiro nenhum prazer disso. Nem mesmo sendo bolos ou doces. Mas tenho a impressão que é um mal que afeta muito os Portugueses, os nossos hábitos alimentares serão muito “ricos”, talvez em demasia.

Avareza, sou um individuo poupado e ponderado, que gosta de estimar aquilo que possui, mas creio que não seja o suficiente para me intitular de avaro. Este não afeta mesmo os Portugueses, diria que somos um povo muito “de mãos largas”, gastamos o que temos e o que não temos, tendo que depois até pedir emprestado...

Luxuria, bem aqui já fico receoso, se for um domínio por paixões e sensualidade, até que ponto não estamos todos visados por ela? Afinal não procuramos todos o Amor e tudo o resto que isso acarreta consigo? Neste departamento considerando o panorama nacional, estaremos perdidos...

Ira, hum... Por vezes fervo em algumas situações, mas nunca as provoco. Apenas respondo em caso de necessidade. Mas respondo se for caso disso, não costumo levar desaforos para casa... Os Portugueses não aparentam ser um povo violento, ainda que por vezes um ou outro cometa barbaridades por motivos absurdos.

Inveja, também não a terei, poderei quanto muito usar os outros, como meta para atingir um dia objetivo similar, nada mais. Sempre fui educado a gostar do que tenho, apenas.

Preguiça, nenhuma mesmo, aliás não consigo estar quieto, tenho sempre que “inventar” algo para fazer.

Orgulho, neste sentido acho que não sou englobado, não sou arrogante, gosto de mim próprio mas sem me atrever a roçar o vaidoso. Infelizmente no geral os Portugueses sofrem muito deste mal.

Talvez um dia venha a ser julgado com justiça sobre estes pecados e a forma como levei esta vida, apenas ai irei saber se fui ponderado ou não.
Até esse dia tentarei ser o mais honrado e correto possível, como sempre tentei fazer até à data.

Mas e vocês?


Fox

sexta-feira, 9 de março de 2012

Can´t recall



Forço a mente com todas as forças que reúno, na ânsia de trazer a mim a sensação que senti com as pequenas caricias, que outrora foram exercidas sobre este corpo que habito.
Mas nenhum efeito é gerado com proveniência desse meu ato.
As imagens gravadas com o fogo de paixão na mente surgem, mas as emoções escapam-me, como se de grãos de areia na minha mão se tratassem.
Será alongado em demasia, o prazo que distancia aquele ultimo dia, em que tive tudo o que sempre tive, pela ultima vez? 
Será profunda a a interferência do tempo, que na sua missão de eliminação de raízes, nos apaga também as sensações que gostaríamos de preservar?
Não sei! Tanta coisa que desconheço mas que no entanto me castiga! Vezes repetidas, qual tortura silenciosa, que me aflige.
Mas a realidade é que 832320 é o numero que em determinada escala de tempo, determina o período que mais do que suficiente terá sido, para me eliminar qualquer réstia de lembrança da sensação, daquilo que hoje mais saudade possuo...

Qual era o sabor de um simples beijo?


Fox

quinta-feira, 8 de março de 2012

The first time part V



O que dá, há uns bons anos atrás, um jovem, ligação aos primórdios da Internet, sangue quente, puberdade, tempo livre, isto assim tudo junto?
Exato, dá um jovem mais ou menos bem instruído nas lides teóricas do sexo, até conseguindo saber o nome de algumas posições, ou achar que sabia, pelo menos.
A pressa da senhora era evidente, pensaria ela talvez, que mal o Fox fizesse a sua entrada em “palco”, que se daria quase de imediato o encerrar do pano...Pois... Ainda hoje deve estar a perguntar, como foi que um “noob” lhe deu tanto trabalho.

Assim depois de muito bem ela demonstrar os dotes “vocais”, lá se mete na posição de missionário, o básico das rotinas, como seria de esperar.
Mas para quem nunca tinha visto “uma” de perto, estava encantado por demais para recusar e lá começo eu no “ir e vir”... Maravilhado com a suavidade, o calor, era tudo um fluxo de experiências inovadoras, mesmo com a supérflua perceção de que a “cuja” estaria com folga a mais...
Até me lembrar que eu era o ultimo cliente do dia... Pois... Normal, achei eu.
Mas não seria tal a impedir o desfrutar do maravilhoso “vai e vem” que dura...
Que dura... E dura... E dura... E dura... E dura... E dura... Começou-se a queixar que tinha que ir embora... Pois, vais já vais...

Nisto sugiro muito envergonhado que podíamos fazer a “cavaleiro”...
Ela riu-se e pergunta o que isso é?
WTF?! Então que profissional és tu? Pensei eu, enquanto dizia - “Não sabe? Eu fico por baixo, você mete-se em cima.
Ela diz - “Ah não conhecia por esse nome, anda lá então que tenho de ir”.
Assim trocamos as posições, tendo ela se “montado” no “garanhão”, fiquei desde logo agradado com a mudança.
Começou então num louco cavalgar, como se por momentos imaginasse que já ia a caminho de casa... E montou... E montou... E montou... E montou... E montou... E montou... Mas não chegou a casa.

Ela não se “foi” para casa , eu não tinha “vindo”, o impasse permanecia, portanto sugeri nova posição, pois, eu sei que sou muito exigente, ainda que não saiba como tive tanta “lata” na altura.
Na minha cabeça saltou a palavra canzana, da minha boca saiu um mais apresentável “doggy style”, que para ela foi mandarim, novamente.
Mas lá invertemos as posições, não antes de me relembrar que tinha que ir embora, ficando agora eu a segurar os flancos da senhora enquanto introduzia o “mastro” naquela densa floresta, doce, húmida, quente.
Inicio novo fluxo de “idas e vindas” que não variando, dura... E dura... E dura... E dura...
Mas desta feita é introduzido um novo elemento na equação, muito suavemente e aumentando de volume, a senhora começa a gemer!

Pode não parecer muito, mas para alguém inexperiente, com uma senhora já no fim do turno, foi como uma pequena vitória, pelo menos assim achei e revestido por uma sensação de dever cumprido e um sorriso nos lábios, eis que pela primeira vez fechando os olhos, lá consegui vir antes de me ir.

Foi bom, foi diferente, foi um tudo para um nada. Foi a primeira. Foi a última.


Fox

quarta-feira, 7 de março de 2012

Music everywhere IX


Adele - Someone like you

I heard that you're settled down
That you found a girl and you're married now.
I heard that your dreams came true.
Guess she gave you things I didn't give to you.

Old friend, why are you so shy?
Ain't like you to hold back or hide from the light.

I hate to turn up out of the blue uninvited
But I couldn't stay away, I couldn't fight it.
I had hoped you'd see my face and that you'd be reminded
That for me it isn't over.

Never mind, I'll find someone like you
I wish nothing but the best for you too
Don't forget me, I beg
I'll remember you said,
"Sometimes it lasts in love but sometimes it hurts instead,
Sometimes it lasts in love but sometimes it hurts instead"

You know how the time flies
Only yesterday was the time of our lives
We were born and raised
In a summer haze
Bound by the surprise of our glory days

I hate to turn up out of the blue uninvited
But I couldn't stay away, I couldn't fight it.
I'd hoped you'd see my face and that you'd be reminded
That for me it isn't over.

Never mind, I'll find someone like you
I wish nothing but the best for you too
Don't forget me, I beg
I'll remember you said,
"Sometimes it lasts in love but sometimes it hurts instead."

Nothing compares
No worries or cares
Regrets and mistakes
They are memories made.
Who would have known how bittersweet this would taste?

Never mind, I'll find someone like you
I wish nothing but the best for you
Don't forget me, I beg
I'll remember you said,
"Sometimes it lasts in love but sometimes it hurts instead".

Never mind, I'll find someone like you
I wish nothing but the best for you too
Don't forget me, I beg
I'll remember you said,
"Sometimes it lasts in love but sometimes it hurts instead,
Sometimes it lasts in love but sometimes it hurts instead."


Fox




terça-feira, 6 de março de 2012

One, two, three, you are out!



Eu detenho no âmbito da minha experiência pessoal, uma opinião muito característica acerca desta teoria da vida real. Sempre fui um curioso por várias matérias, em especial aquelas sobre quais posso ser ator principal, foram imensos artigos lidos, uns mais científicos que outros, mas todos a apontar numa direção idêntica.

Sim, acredito na crise dos três anos do namoro. Porquê? Não sei dizer.

Não me perguntem por que razão é um prazo tão generalizado, mas é bem real. Aconteceu comigo, com amigos, e com inúmeras pessoas por esse mundo fora, basta “googlar” um pouco. Não fosse assim esta generalização da situação em similares parâmetros, diria que cada caso é um caso, não encontrando nela motivo de consideração.

Mas não é o que acontece, o que poderá fazer alguma lógica trazendo alguma luz sobre o assunto, o artigo que um dia encontrei, no qual o autor afirmava que seria uma programação ao nível estrutural de DNA, que nos leve a estar juntos de alguém durante o tempo necessário para criar descendência, oscilando em média entre 24 a 36 meses. Fará sentido? Segundo os especialistas, sim.

Para mim? Hum... Não sei, sou aquele “ser parvo” que acredita que o Amor poderia ser “eterno”, enquanto sou aquele “ser lógico” que procura resposta a questões misteriosas e ambíguas inerentes ao ser humano. No meu caso foram imensas variantes a despoletar a crise, algumas exteriores à própria relação, outras das quais apenas poderiam surgir depois de se conhecer a pessoa, descobrindo que não se consegue gostar de alguns aspetos nela. Aspetos vincados, irreversíveis, incompatíveis, imutáveis, que servem de percursor para a saturação da relação e da pessoa que está connosco.

Se leva assim tantos anos a descobrir? Sim leva, em alguns casos mesmo depois de oito anos ainda descobrimos horrores escondidos. Nunca se conhece alguém no seu intimo, se esse não o quiser revelar.

Mas mesmo tendo escrito isto, também deverei dizer que sei que apesar da crise explodir, afastando aqueles que estiveram juntos, o sentimento que existe, mesmo que em modo latente, devido ao passar dos anos, poderá salvar a relação. Been there, done that.
Mas os vincos continuam, não se modificam, as pessoas não mudam sem choques tremendos, que arruínem o âmago do seu ser, para assim permitir nova construção, mediante novos ideais.
Assim mais tarde o resultado será o mesmo, o problema será igual, até mais não existir retorno do que outrora terá sido.

Gostaria imenso de ler a vossa opinião acerca deste assunto em particular, soltem essas teclas se fizerem o favor.



Fox

segunda-feira, 5 de março de 2012

My poem X



Deixamos a pressão acumular
Enquanto a intimidade ia a fugir
No momento não a tentamos parar
Sendo ai imaturo o nosso reagir

Concordei então com o separar
Desconhecendo onde iria cair
Mas o fosso é gigante e vai aumentar
Se não pudermos voltar a unir

Duas partes de um mesmo par
Que se pareceu partir
Quando se deu o nosso afastar
Mas separados não podemos subsistir

Faz doer é impossível de o negar
Não mais voltei a conseguir sorrir
Sabendo que não paras de chorar
Quero te encontrar e apenas ouvir

Tudo o que ficou ainda por explicar
Não é ação premeditada para iludir
Apenas quero conseguir sarar
Esta ferida que persiste em abrir

Anseio o olhar que me faça sonhar
Anseio o toque que me faça sentir
Permite-me continuar a acreditar
Que juntos ainda podemos resistir


Fox

domingo, 4 de março de 2012

The one that got away



É curiosa para mim esta frase, com a mensagem e lembranças que me consegue induzir, presumo que faça sentido a todos nós, algures nas nossas vidas, a dada altura sofreremos deste mal, alguma que nos fugiu...
Quer dizer não fugiu, estava ali, mas por alguma razão que não se consegue explicar, as coisas não se prolongaram como seria de prever.
Deixando-nos essas situações uma sensação esquisita a prevalecer, assim uma espécie de “what if?”.

Também eu tive essa situação na minha vida, encontrei aquela que a dada altura me despertou algo, que ambos queríamos, mas assim tal como surgiu teve que desaparecer.
Foi engraçado, foi curioso, foi leve, foi fugaz, foi inovador, foi diferente.
Já a conhecia há imenso tempo, mas sempre foi muito nova, ainda que as pessoas apenas sejam novas até uma certa idade, depois começam a ser interessantes...
Não a via já fazia uns tempos, sempre falamos por sms, mas essa ligação não desperta os sinais que a presença humana consegue induzir.
Assim quis o Destino que nos voltássemos a ver, tendo sido quase um choque verificar as diferenças nela, o tempo estava a modificar para o melhor, já não era “nova demais”.

A mulher que a mim me fez isso foi a B., maravilhoso espécimen feminino, estatura baixa, loira, de tom de pele claro, cara de boneca de porcelana, dona de uns magníficos olhos azuis. Ainda que já não os veja para cima de um ano! Curioso como as amigas desaparecem quando arranjam namorado... Anyway.
Faz agora uns anos, estava eu zangado com a ex, durante uma daquelas crises típicas da regra de três, estava-mos separados e mesmo para o “até nunca”, em que por influencia do Destino, me surge novamente a B. no caminho, deixando-me o coração desarmado por completo, apanhou-me de uma forma simples mas que resultaram em duas semanas muito interessantes...

Querem saber mais sobre essas duas semanas tórridas? Talvez vos conte num próximo post, ou não.


Fox

sábado, 3 de março de 2012

Can they understand me?!



O Fox é minucioso, sempre o foi, gosta de perder tempo com pormenores, sendo que acha piada à aplicação de estatísticas de visitas do blog.
Assim desde que descobri aquela função, gosto de ver como evolui, verificando por vezes o surgir de novos países.
Devo salientar que desliguei a contagem para as minhas visitas, de forma a não deturpar valores.

Assim no primeiro mês de vida, este meu/vosso espaço, possui em 1202 visitas o seguinte esquema de origens:

Portugal – 914
Alemanha – 125
Brasil – 113
Rússia – 33
Ucrânia – 7
Estados Unidos – 7
Finlândia – 3

Seriously?!
Mas afinal, Alemanha?? Rússia?? Ucrânia?? Finlândia??
Pergunto-me se haverá mesmo por lá alguém que consiga ler os meus devaneios, ou se serão meros enganos de cliques circunstanciais.
Mas tantas visitas dos mesmos países, seriam no mínimo estranhos enganos.
Será que se darão ao trabalho de converter os textos por tradutores online? Para assim poderem ler? Awkward...


Fox

Music everywhere VIII


3 Doors Down - Landing in London

I woke up today in London
As the plane was touching down
And all I could think about was monday
And maybe ill be back around

If this keeps me away much longer
I dont know what i will do
Youve got to understand its a hard life
That im going through

And when the night falls in around me
I dont think ill make it through
Ill use your light to guide the way
Cause all I think about is you

Well L.A is getting kinda crazy
And New york is getting kinda cold
I keep my head from geting lazy
I just cant wait to get back home

And all these days i spend away
Ill make up for this i swear
I need your love to hold me up
When its all too much to bear

And when the night falls in around me
I dont think ill make it through
Ill use your light to guide the way
Cause all I think about is you

And all these days i spend away
Ill make up for this i swear
I need your love to hold me up
When its all too much to bear

When the night falls in around me
I dont think ill make it through
Ill use your light to guide the way
Cause all I think about is you


Fox

sexta-feira, 2 de março de 2012

Can´t understand her



Conheço a M.J. desde sempre, ou quase tão próximo disso que não fará diferença, desde os cinco ou seis anos se quiser ser mais preciso.
Crescemos juntos, éramos amigos claro, mas apenas durante as idades em que as raparigas conseguem ser amigas dos rapazes.
A uma dada altura afastamo-nos fisicamente, trocava-mos umas sms esporadicamente, mas nunca saímos mais, a ex era muito ciumenta, não me dava “liberdade de trela”.

Entretanto fico só, sem ninguém, a relação custou-me todos os amigos que tinha, “for the greater good” pensei eu na época, pois! Agora vejo bem o resultado disso.
É normal tentar reaver os amigos, tentei todos, a M.J. inclusive, afinal enquanto namorava íamos falando, pensei que agora poderíamos sair e meter a conversa de anos passados em dia, pensei pois pensei...
Mas as desculpas dela saiam em catadupa que era uma coisa impressionante, a maior parte delas como sendo o trabalho, pois, vá lá ao menos não me disse que era por causa do namorado, que nunca teve, tanto quanto sei.

Mas o Destino lá nos cruzou de forma engraçada, numa destas ultimas eleições, não sei precisar qual, está o Fox a dirigir-se à mesa de voto, todo equipado de motard, enquanto vai galando à distancia de forma muito clássica, ou seja, usando o bonito olhar que possui, uma senhora que vinha de óculos escuros a subir as escadas. Natural, o que é bonito é para se apreciar.
Estou eu na fila para votar, quando me dizem quase junto ao ouvido - “Mas tu não tens frio? Andar de mota com este gelo.”
Quando me viro, quase apanho um choque, ao ver que tinha galado nas escadas a M.J. sem saber quem seria.

Votamos, esperei que ela guardasse as tralhas todas na carteira, perguntando se estava tudo bem e voltei a fazer o convite acerca do café, disse-me - “Tem que ser nas ferias, tenho mais tempo disponível”.
Continuo à espera da confirmação da saída...
Pois na verdade não cheguei a perguntar sobre que ano seriam as ferias, 2013, 2031, faz uma certa diferença não perguntar com exatidão...

Mas afinal o que mete tanto receio numa mulher em tomar café com um velho amigo e trocar umas frases?!
Até parece que somos o papão e as vamos ferrar! Se bem que a M.J. com esta idade, sem nunca ter namorado, deve estar já frígida, metendo tudo à frente dos homens. Enfim.
Bem não sou eu que fico a perder, afinal muitas são ao que apreciam conversar comigo, fica ela claramente sem uma boa amizade.


Fox

quinta-feira, 1 de março de 2012

Very hot!



Será talvez uma das coisas que mais prazer me dá nesta vida. Adoro estar imenso tempo naquilo.
Eu sou assim, um homem de gostos simples, mas não consigo dizer que não a um belo duche a ferver. Sim eu escrevi a ferver.
Pois esta será a parte esquisita do prazer, água a ferver a cair pelo corpo todo, talvez pensem “este deve ser maluco”, mas no entanto é algo que adoro.
Começa sempre com uma temperatura morna, mas depois é sempre a subir até sair bem quente.
Ainda que o resultado de tal, seja o Fox sair do duche bastante parecido em tons de pele com um tomate!

Espero que não ande por ai ninguém da Quercus, para ler o que vou escrever...
Nas ferias então é um abuso! Visto que não pago a conta da água, nunca lá estou menos de 45m...
Isto sem companhia claro, porque quando a tinha, demorava bem mais, mas não podia era ter a água tão quente, porque a ex não gostava.
Não me perguntem o porquê de apreciar assim tanto, mas gosto de sentir o corpo quente, em especial nos ombros, ouvir o som da água a escorrer, estar sozinho debaixo do fluxo continuo que só a mim pertence, sem nada mais que me ocupe a mente. Priceless!

Alguém por aí que siga o gosto?


Fox