quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Music everywhere XII


Mark Knopfler - Redbud Tree

Hunted down, I came upon
A place of ferns and grass
Gathered to a redbud tree
And now their footsteps pass
Where I crouch in dread
Discovery my certain death
Her leaves reaching for my head
As I suspend my breath

Redbud tree, shelter me, shelter me
Redbud tree, shelter me, shelter me

Those days of fear are gone
Yet I am pledged to her
As to my only one
My lovely protector

Redbud tree, shelter me, shelter me
Redbud tree, shelter me, shelter me
Redbud tree, shelter me, shelter me
Redbud tree, shelter me, shelter me

Estilo de blogue novo. Música nova.
Hoje trago uma música pertencente ao novo trabalho de Mark Knopfler, ex-Dire Straits.
Não era a que queria mostrar, pois não encontrei a "Go love" no Youtube.
De qualquer forma fica esta, que também é um excelente som e tem a minha tão amada "guitarrada".
Logo de quem para mim é o melhor guitarrista de sempre.
Enjoy.

Fox

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Camping III



Quezílias entre vizinhos é assunto complicado...
Raio de queixinhas, nem nos deixaram assar e comer as fêveras. Tivemos que nos recolher aos aposentos, com uma misera espetada cada um. Bahhhh
Era a tristeza a bater novamente à porta destes três solitários jovens, desta vez foi à porta da tenda que ela bateu... Porque aborrecidos com a vizinhança, fechamos o estaminé todo. Como se de mais um protesto se tratasse.

Não havia comida mas havia bebida e tabaco... O P. tinha trazido algo numa garrafinha muito bonita, que se veio a revelar algo bastante próximo da gasolina pura... Aquilo era de derreter a garganta. Eu tinha levado o narguilé e whisky para lá meter dentro. Era whisky "especial" de 15+15 anos. Os primeiros 15 por ser de reserva, os restantes por estar guardado há mais de 15 anos. Nem lhes digo a "pomada" que aquilo estava!

Lá preparei o equipamento todo, enquanto o P. colocava o telemóvel a tocar. Foi Rammstein - Pussy, logo a começar, que é só por causa das coisas. Se nós não comíamos, eles não dormiam!
Com música, bebida e tabaco já se podia quase assemelhar a uma festa... Pelo menos, não demorou muito até o interior da tenda parecer repleto de nevoeiro. Não se via nada, mas também não fazia mal, porque já não víamos muito bem... Era da "pomada"...

Mas cedo nos aborrecemos, o chão era duro e a tenda pequena. Isso e os pulmões não iam aguentar muito mais daquelas inalações terapêuticas. Saímos então para tomar café, fazendo frente ao vicio. Mas com as garrafas atrás...
Depois de sentados, verificamos que o grupo onde estava um conhecido do C., se tinha colocado ali perto. O C. decidiu ir lá oferecer um pouco da bebida da garrafa vermelha, antes que morrêssemos queimados com a pureza daquele álcool. Disse-lhes que era fraquinho e se bebia de gole... Desatamos a rir com o resultado, claro.

Mas eles já não deviam estar em si ou são veteranos naquilo, começaram a pedir mais e mais e mais... Aquilo é que era beber. As namoradas diziam-lhes para pararem, mas era coisa que não ouviam. A bebida para nós não agradou muito, mas teve a sua função para aquela noite. Pois graças à mesma, não fomos dormir sem comer as feveras!

Ah pois foi. Mas isso fica para outro post...


Fox

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Writing II



Pois é, como disse no outro post, surgiu-me a ideia de escrever algo em parceria.
Seria a meu ver, uma experiência nova e enriquecedora, quer para mim, quer para vocês.
Consegui até este momento estabelecer três contactos, com três das mais participativas seguidoras deste espaço de maluqueiras. Aproveitando desde já, a oportunidade de agradecer a amabilidade com que se dedicaram à iniciativa. O meu muito obrigado.

Assim neste momento encontram-se dois projectos em andamento, um destes já bem avançado. O terceiro ainda se encontra na fase "Alpha", por falta de tempo da co-autora. Mas ela vai arranjar disponibilidade. Tem de arranjar. 

O problema com que neste momento me deparo, é que o enredo alastra-se bem. Soltamos a imaginação ligada às letras e as folhas acumulam-se. No primeiro projecto já se contam mais de 10 páginas de escrita, sem ainda se ver a recta final. Preocupa-me um pouco a forma extensa que cada post irá ter. No entanto é uma boa história e acho que irão apreciar. Pelo menos aqueles que tiverem a vontade de a ler até ao fim.

Fiquem por ai que a "novela mexicana" está quase a chegar...


Fox

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Handcuffed!




O dia foi extremamente cansativo. Arrasto o meu destruído corpo para a cama, deitando-me vestido sobre a mesma. Irei repousar um pouco, só até chegares a casa.
Mas o cansaço é demasiado. Deixo-me levar. Perdido entre sonhos e realidades, risos e sussurros, toques e movimentos.

Acordo, abro os olhos mas está escuro. Movo-me, mas estou preso a algo. Ainda estarei a dormir?!

Ouço o teu riso. Chamo por ti. Pergunto o que se passa. Respondes num sussurro perto do meu ouvido que hoje sou teu. Vendaste-me, algemaste-me e deixaste-me completamente nu durante o processo. Pergunto que intenções tens tu. Dizes-me que serão as de usar e abusar de mim. Rio.
Mentalmente tento imaginar a cena na qual estarei inserido. Não estou habituado a estar imobilizado. É perigoso. É excitante. É diferente. Aguardo. Por algo. Sinto.

Um leve deslocar pela pele, que imediatamente me arrepia todo. Parece. Uma pluma. É suave nos movimentos que executa por todo o meu corpo, eriçando os parcos pelos que possuo. Está por todo o lado. Contorço o corpo dentro dos poucos movimentos que posso efectuar. Ris. Estás a apreciar.

Depositas-me um ligeiro mas suculento beijo no peito. Outro no pescoço. Outro na coxa. Mordo o lábio. Outro na perna. Outro no baixo ventre. Outro no braço. Outro na boca. Mas foges quando queria mais. Estás a provocar. Muito!
Não fossem estas algemas, impedirem os meus livres movimentos e possuiria-te, com uma brutalidade anormal em mim. Este desejo galopa em mim numa intenção desmedida. Digo-te que se te apanho... Perguntas o que faria.

Não chego a dizer nada mais, além de um arrastado ai. Sentindo a tua língua a rodopiar no meu membro. O êxtase espalha-se cada vez mais pelo meu corpo. Inicias todo um conjunto de movimentos com a língua e os lábios como mais nenhuma me sabe fazer. Fervo. Paras. Fico cada vez mais descontrolado. Tu sabes. Conheces cada centímetro de pele e reacção do meu corpo.

Sentas-te sobre o meu peito. Sinto um calor húmido. E o aroma tão teu que tanto amo absorver. Faço um movimento obsceno com a língua. Quero-te saborear. Aproximas-te apenas o suficiente para te poder tocar com a ponta da língua. Mas voltas a fugir. Só provocas. Estás diabólica.

O meu membro lateja duro de excitação. Anseia pela chegada da sua némesis.

Percorres o meu corpo com o ligeiro toque das tuas mãos. Aproximas-te num cerco premeditado ao que desejas. Por mais que tentes, já não aguentas mais a espera. Estás húmida. Estás ardente. Estás inebriada.

Sentas-te sobre o meu membro, escondendo-o de uma vez. Ambos suspiramos em vozes profundamente sensuais. Era o que mais desejávamos sentir. Começas a saltar loucamente num ritmo próprio que só tu controlas. Hoje sou mero interveniente sem poder de decisão.

Perpetuamos o máximo possível esta maravilhosa fusão de corpos. O rodopiar de sensações atinge-nos como um furacão. Não existe amanhã. Apenas agora. Apenas tu. Apenas eu. Apenas nós.

Aumentas o ritmo mais e mais e mais, estás quase. Eu também. Tento aguentar. Explodes sobre mim. Eu expludo dentro de ti.


Fox

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Camping II


Terminei o anterior "episódio"enunciando a frase "ah, querem ir à vila?".

Pois, esta singela frase sem nenhuma malícia, veio a se revelar uma aventura tremendamente desgastante.
Assim no fim da tarde, deveriam ser umas seis horas, o C. lembra-se de querer ir à vila. Tinham-lhe dito no parque que era ali perto, apenas descer a rua.
Então lá fomos os três a pé pela rua abaixo, fazendo curva contra curva, vendo pinheiro atrás de pinheiro. Caminhamos e caminhamos e caminhamos e caminhamos, sem ver nada mais além de pinheiros. Cortei por atalhos no meio do mato, bem ao estilo de Blair Witch Project, de onde estava a ver que já não saiamos inteiros. Não tínhamos "tracção" ao terreno, que era bastante íngreme e cheio de folhas e o P. tinha vindo armado em turista de chinelos...

Mas de nada pareciam resultar os meus perigosos atalhos. Não descobríamos a vila e muito menos o supermercado. Ali nem a porcaria do GPS dos telemóveis queria apanhar sinal. Pois, imaginem três gajos armados em turistas, no meio do mato cerrado e a usar o GPS do telemóvel. Priceless!
Lá conseguimos encontrar a estrada e voltar a caminhar, caminhar, caminhar até conseguir encontrar o que se assemelhou como uma pequena vila, afinal só tínhamos caminhado durante ai uma hora...

Fizemos as compras e voltamos logo para cima. Pois, é que até ali foi a descer, o problema foi voltar a subir a montanha. Aquilo até fazia escala de altitude em relação ao mar! Uns 400 ou 500mts segundo a placa. Custou. Muito. Eu ainda tomei a dianteira impondo um passo de corrida e algumas "músicas militares", para galvanizar o grupo, mas eles ficaram para trás. Tive de esperar junto a um qualquer pinheiro (que ficou bem regado) até eles voltarem. Por essa altura, já vinha o P. a correr descalço e a mandar vir com C. e a sua brilhante ideia. O C. apareceu um pouco depois já prestes a dar-lhe o fanico.

Só conseguimos voltar ao parque por volta das nove horas, estafados mas ainda com intenção de fazer uma fogueira e assar umas deliciosas espetadas e fêveras. Mas nem a porcaria da fogueira queria colaborar! Demorou eternidades a fazer brasas, que mal deram para as espetadas. Essas foram devoradas avidamente dentro da tenda, sem quase iluminação nenhuma. De vez em quando, lá tinha que dar à manivela do dínamo da lanterna para gerar energia para os leds. Estava a ser uma tremenda aventura...

Quando íamos tentar colocar as fêveras nas brasas, aparece um individuo do parque a dizer que tínhamos que apagar o fogo, pois já era tarde para andar com fogueiras e os nossos "vizinhos" já tinham feito queixa de nós. WTF?!

Aparentemente quem faz campismo, acorda entre as sete e as oito da manhã e janta entre as sete e as oito da noite, ou seja à horas que estávamos a "cozinhar" alguns vizinhos já estavam a dormir! Bahhh
Nem sonham as "trombas" com que ficamos. E cheios de fome!

Mas isto ainda estava longe de terminar por aqui...


Fox

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Writing



Todos gostam de escrever a mandar ao ar umas opiniões, ainda que em alguns casos não sejam nada de interessante.
Não serei nada de especial na escrita, no entanto é algo que por vezes me dá gosto de fazer. Aproveitando este meu espaço, acho-me no direito de o fazer, mesmo que ninguém o leia.
A imensas linhas já dei criação, em vários formatos distintos e temas variados. Mas ultimamente ando com ideias de criar algo diferente. Mais alargado, assim ao formato de um conto ou pequena história com algum enredo. Para ser exposta aqui no blogue em partes faseadas, assim a modos de novela mexicana...

A ideia acerca do tema já fervilha em mim, sendo que vocês que me seguem as loucuras, já também o devem imaginar. Mas o busílis desta questão, prende-se com o aspecto de que gostaria de criar duas ou mais visões nesse  mesmo enredo. Visões essas, imaginadas por pessoas distintas, por forma a obter algo diferente desde o seu cerne.
Para o esboço inicial já soltei as primeiras letras, criando uma ténue linha de enredo, que poderá ser perpetuada ou completamente redesenhada.

Faltam-me a outra ou outras "visões". Veremos se consigo dar continuidade à ideia...


Fox

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Camping



Vou contar uma piada...

Decidimos ir acampar para descansar um bocado. Ahahahahahahahahah

De vez em quando sabe muito bem adulterar as rotinas de vida.  Dessa feita decidimos ir acampar. É diferente. É divertido. Mas foi imensamente cansativo. (ah, querem ir à vila?)
É tremendamente divertida toda a panóplia de situações inerentes ao acto de acampar. A viagem, a escolha de lugar, a limpeza do mesmo, a montagem da tenda, a piscina, os churrascos, o convívio.

Assim decidimos durante a semana fazer um pouco de campismo. Escolha esta, feita apenas dois ou três dias antes da partida. Bem ao género da nossa wolfpack.
A saída para a viagem foi bem cedo no sábado, envolvida em grande entusiasmo, com o GPS a levar-nos literalmente para o "cú de judas". É que aquilo fica num vale sem nada em redor a não ser pinheiros. Mas a tranquilidade e a ausência de vento, valem ouro.

Escolhido o local, as capacidades do Fox na montagem de tendas veio ao de cima. Em três tempos estava a nossa "vivenda construída" junto a uma bela árvore. Aqui comecei a perceber que tinha trazido uma singela cabana para junto de palácios. Estávamos completamente desfalcados em todos os aspectos. Mas foi o que se arranjou, para principiantes não era nada mau. Já com as tralhas todas guardadas, foi apenas colocar o protector solar e saltar para a água. Sim, somos tipo os putos, não podemos ver água. E o calor que se sentia, puxava aos mergulhos.

O nosso local foi tão bem escolhido que a piscina estava a apenas 20mts da nossa "vivenda". Como soube bem aquele primeiro contacto com a água.  Muitas braçadas foram dadas de um lado para o outro, até passar aquele desejo inicial da piscina. Depois fomos apanhar sol, para melhorar o aspecto e apreciar as "vistas", até nos dar a fome.

Depois de almoçar algo improvisado dentro da tenda, fomos dar um passeio pelo parque para se fazer um reconhecimento, enquanto se faziam as horas para voltar à carga na água.
Até aqui tudo bem, deu para esticar as pernas e ver a paisagem, o problema foi depois de sair da piscina,  mais no fim do dia, o C. lembra-se de usar a bela frase, "ah, querem ir à vila?".

Mas o resto dessa épica aventura fica para um próximo post.


Fox

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Good movie? Hell yeah X



Já não ia ao cinema fazia uns tempos.
A wolfpack queria ver este em especial. Estava era difícil de coincidir os horários.
Mas ontem surgiu à ultima da hora, a oportunidade de ir ver mais uma fantástica criação do Nolan. O novo filme do Batman, claro.
Foram perto de 3h de filme, mas de grande qualidade, tal como ele já nos habituou em todas as suas obras. Com a música a cargo de Hans Zimmer, só podia ter resultado num excelente serão de Domingo.
Fica assim encerrado, o ciclo da sua visão acerca deste herói sem poderes, mas com muita garra.

Acabou por aparecer uma infiltrada, que permaneceu "unnoticed" o tempo todo. Nem todas são interessantes o suficiente. High standards around here lol


Fox

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Pain = Improve


Loneliness changes us a lot.

There is some benefit in pain. When we suffer within, we grow in life experience and vision.
Then we can slowly recover from it. And after being alone for quite some time, we ask God for a special one, someone that can touch our soul and change our life.
We don´t care how she is, what she does, where she is from.
The only request is to be a special person.

And then, one day, God fulfill´s our wish, and puts that someone in our life.
We feel pure happiness for that, but in the beginning we forget that it comes always with a price. Something that we will have to pay in a short period. Distance, personality, schedule incompatibility, financial problems, religion, beliefs, dreams. It is never easy to have someone.

Over and over the question runs in my head. Why it isn´t easy?

But there is a truth i all of this. She is special. Certainly the most special person that i have ever meet. And i´m happy for that previlege.

 I want one more look. One more smile. One more touch. One more kiss. One more us.


Fox