segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Hand



Ele surge quase sempre altivo, de postura rígida, semblante pesado. É um gentleman nos modos e na apresentação, algo que já não pertence a este tempo. Possui uma identidade própria como produção da experiência de vida, essa malvada que a todos nós custa e a ele tanto o modificou. Agora a sua alma é negra como a noite que o envolve. Negra de luxúria corporal, que o alicia tanto como uma gotícula escarlate a um vampiro sedento de sangue quente. É mais forte do que ele consegue ser. 

Quando procura lá no fundo dos olhos dela, vê que apesar da idade é inocente. Esboça um sorriso matreiro. O sabor da perseguição da presa é tão delicioso para ele. Mera ovelha prestes a sentir os caninos que suavemente lhe roçarão na pele, fazendo-a eriçar os pelos num arrepio quente de excitação. Quase que lhe apetece uivar na eminência do festim. 

Foi ela quem o convidou, desconhecendo o que ele é ou desconfiando, mas sem conseguir resistir ao encanto que ele liberta. O seu corpo é delgado, pernas longas, rabo arrebitado, peito pequeno, pele branca, cabelos loiros. Perfeição. Todas são perfeitas enquanto não as conhece bem. A desilusão só chega depois disso.

O degustar do café alonga-se entre olhares, sorrisos, palavras soltas e pensamentos obscenos na cabeça dele. Diz-se cansado de estar sentado naquela cacofonia onde não consegue ouvir a melodia da sua voz. Saem juntos, sem se tocarem até entrarem no carro que ela conduz até junto ao mar. Apanágio de um qualquer romance fugaz ou duradouro, ele nunca conseguiu entender bem a atratividade dessa ocorrência. Também não é isso que lhe interessa neste instante. Apenas a quer possuir, escolha ela o lugar que escolher, como se lhe permitisse a ilusão de algum resquício de controlo. 

Mais olhares, mais palavras, mais sorrisos, mais toques acidentais, não demora muito até se embaciarem os vidros e as línguas se misturarem numa dança suja e agressiva. Já faz imenso tempo que ele se limitava por vergonha ou respeito. Neste combate não existem regras, tudo vale quando o prémio é o prazer. 

Os seus lábios são possessivos, a sua língua é violenta, a sua mão é rápida, o seu toque é quente. Ela fica surpreendida mas não se consegue desligar deste contato. Perde-se entre suspiros e pequenos gemidos que não controla, ao sentir a mão que habilmente se introduz por baixo das roupas e explora o seu corpo nervoso. A mão dele movimenta-se suavemente mas de forma decidida, tudo tocando na sua progressão descendente. Os pequenos seios latejam com o bater acelerado do coração, os seus bicos estão duros com a excitação que ele lhe provoca. 

Ele acha excitante os pequenos gemidos que ela liberta na sua voz sensual. Lambe-lhe gulosamente o sabor da pele do pescoço, perdendo-se com beijos e sussurros junto ao lóbulo da orelha. Desaperta o botão das apertadas jeans introduzindo-se onde pretendia chegar desde o início. Ela está quente, húmida, pegajosa, deliciosa. 

Ele introduz um dedo e começa o vai e vem que acelera o ritmo cardíaco e acentua os gemidos que ela liberta. Mais e mais depressa ele lhe toca, para acompanhar a vigorante excitação que cedo a levará ao êxtase. Ela geme e procura inspirar o ar que necessita para controlar a excitação. Ele beija, lambe, morde, sabendo que a cada pequeno gesto a deixa mais louca. Está quase lá, os seus gemidos são expressos num tom demasiado alto, ele tapa-lhe a boca com a sua sugando uma vez mais o seu doce sabor. Ela não aguenta mais a loucura daquela mão que a toca e explode em pequenos espasmos. Ele retira a mão do foco de calor, levando os dedos à boca para sentir o doce néctar que os reveste. Delicioso.


Fox

8 comentários:

  1. Muito bom, mas para quando uma cena tórrida com uma ruiva? Só loiras e morenas... olha que as tuas leitoras ruivas qualquer dia fazem um baixo-assinado ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hum... Não devo escrever com ruivas. Eu sou mais dado a morenas. ;)

      Eliminar
    2. Existe uma primeira vez para tudo...

      Eliminar
  2. Começei a ler o seu blog a muito pouco tempo, e todos os dias leio um texto porque ler tudo de uma vez não me é possível. E hoje resolvi ler este.
    Devo dizer que adorei. Interresso-me muito pela área das relações entre os seres humanos, nomeadamente aquele jogo entre o homem e a mulher. E pelo que denoto também se interessa.
    Gosto muito de ouvir Quintino Aires e de conversar com colegas e amigos sobre estes assuntos. Neste texto abordou várias coisas que a meu ver são muito importantes, abordar o fato de o homem não tem o "poder" completo sobre a mulher, pois muitos homens têm a perspetiva que de eles é que mandam, isto quando diz, " Saem juntos, sem se tocarem até entrarem no carro que ela conduz até junto ao mar". E o fato de dar atenção aos pontos importantes na mulher que são muitas vezes esquecidos pelos homens aquando de uma relação intima, o toque.
    Também um fato que denotei e que para mim foi o que mais me cativou neste texto foi a descrição detalhada que fez da relação que existiu entre esta mulher e homem, e os adjetivos, muito bem empregues, " Ela está quente, húmida, pegajosa, deliciosa. ", "sentir o doce néctar que os reveste".
    Mais uma vez muitos Parabéns e espero que continue a escrever assim. ;)****

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se aprecias esta escrita, vais encontrar por aqui alguns bem interessantes... Nem a capuchinho escapou!
      Aprecio bastante escrever desta forma, mas necessito de bastante inspiração, caso contrário não sai nada de interesse.
      Por vezes replico a realidade em letras ou então escrevo o que pretenderia que a realidade fosse. Devaneios de um lobo...
      Fico contente que tenhas gostado assim tanto do texto, muito obrigado. ;)

      Eliminar
    2. Adoro este tipo de escrita, livros com este conteúdo nem tanto mais pequenos textos, porque nos deixam imaginar o resto.
      Inspiração para escreve-los é preciso ter bastante, e espero que a sua fonte de inspiração não acabe, porque já li alguns (apesar do tempo neste momento não ser muito) e dos que li posso dizer que estão muito bons. ;)
      Continue a escrever assim, mais uma vez Muitos Parabéns ;)

      Eliminar
    3. A fonte vai sendo reciclada, umas vezes mais intensamente que outras...
      Obrigado. ;)

      Eliminar