quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

All black

O negro é escuro, espesso, quente, pesado.

Envolve todo o ser, apagando o rasto de individualidade que se possa ter. Não se é um, apenas mais um. Estranho sentimento de orgulho que deseja ver a sua diferença terminada.

Mas não é um fim, é um começo.

Será o ícone do início de uma saga...


Fox

domingo, 27 de janeiro de 2013

Let it



Cai fria e húmida do outro lado. 
Num compasso quase certo e ritmado, é sempre mais sonora do que visual. Mas cai. Cai numa intenção suicida que encontra no chão a ultima paragem. 

Será que desconfia do seu fim, quando se lança na vertiginosa viagem pelos céus negros e carregados?

Ou andará enganada acerca da sua missão como todos nós?


Fox

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Two girls


O que se faz quando se vê, numa estação de comboio imensamente movimentada, duas raparigas a beijarem-se?

Nada. Olha-se.

Uma vez.
Duas vezes.
Três vezes...

Existe qualquer coisa de atrativo, não perguntem por que razão...


Fox

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Cold white



A brancura fria e cristalizada envolve toda a paisagem até onde a vista consegue alcançar. O vento gélido emite estranhos sons na sua desenfreada correria sem limites, mas o pequeno vale está protegido pelas altas montanhas que arranham o céu azul. Pinheiros erguem-se aqui e ali, revestidos nos seus ramos por uma fofa camada de neve. Estamos em pleno inverno no local mais recôndito que se poderá desejar encontrar neste mundo, mas é perfeito. A pequena cabana de madeira é o único elemento estranho à natureza com a sua chaminé a libertar sinais de fogo, calor e presença humana.


Local ideal ao propósito de dois amantes proibidos pelos cânones de uma sociedade que não aceita o que não compreende. Ele é jovem. Ela é menos jovem. Ele é calmo. Ela é impulsiva. Ele é inexperiente. Ela é mais experiente. Bem mais.


Conheceram-se numa agitada noite da cidade, onde ele acompanhava os amigos e ela perseguia a diversão libertina que se encontra, quando as quentes luzes se apagam nas frias ruas por onde caminha. Ela era a caçadora, ele era a presa. Papeis invertidos nos dias que correm, mas por vezes acontecem estas raridades num mundo tão louco como qualquer outro.


Três olhares e dois sorrisos dela fizeram-no pensar que dominava a situação de engate. Na realidade era ela que o induzia a fazer o que pretendia. Uma bebida paga nessa noite, valeu uns ardentes beijos e possessivos apalpões no belo corpo daquela mulher que parecia inundada de fogo grego. Ficou em êxtase, era sem dúvida uma mulher única, olhos azuis, pele morena, peito abundante, curvas invejáveis, estilo de executiva… Tudo isto com uns respeitáveis 45 anos. Ele não desconfiou, ela também não lhe disse.


O prolongamento dos encontros tórridos e o aumento da saudade trouxeram-nos até aqui. Na cidade já começava a ser muito perigoso. Os amigos dele podiam vê-los e soltar boatos ou então o marido dela descobrir e soltar injurias, ameaças ou outros que tais. Uma saída em negócios na altura de férias da universidade resolveu o problema de ambos. Apenas um fim de semana no fim do mundo, local ideal para um encontro intensamente avassalador...


Fox

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Again

Gostaria de te voltar a ver.
Gostaria de me voltar a mostrar.
Gostaria de te voltar a ouvir.
Gostaria de me voltar a expressar.

Só um instante.

Um limitado momento apenas, para que pudesses ver no que me tornei e onde já longe cheguei.
Deixar-te cuidadosamente observar, no imediato o passado e presente comparar, imaginando o futuro ainda para chegar.

Por fim te dizer na face que já repetidamente toquei:

Aprecia o que perdeste, foi este o diamante que não lapidaste, oportunidade não deste mas melhor prémio não recebeste.


Fox

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

New Year

Ontem foi dia de alegria, de comemoração, de novo começo.
Sabe sempre bem iniciar algo do zero, sem erros e com todas as hipóteses ainda em aberto.

Assim lá fui eu novamente para a rua, apesar da chuva estas datas não se comemoram em casa. Sim, ela caiu bastante forte na ida, chegando eu a imaginar lá chegar, sair do carro, apanhar uma chuvada e voltar a entrar. Felizmente na hora mais importante a chuva cessou e podemos apreciar o deslumbrante fogo de artificio.

Fomos exatamente nas mesmas condições do ano passado. Três homens, velhos amigos, finamente aprumados na indumentária, eu talvez em demasia mas é algo que me apraz, cheios de vontade de fazer algo. Algo intenso, interessante, divertido, diferente, algo. Mas foi mais do mesmo. Sei que já não é influência da idade, seremos mesmo assim de natureza, dado que chega a hora da "palhaçada" e bloqueamos. A nossa conduta é sempre exemplar, verdadeiros "gentlemans" em postura e rigor.

Mesmo integrados no centro da multidão que bebe, salta, grita, dança, explora de inúmeras formas o que entende por diversão, o trio fica sereno. Apreciamos com toda a calma a diversão de terceiros, é bom ver pessoas assim felizes que exteriorizam a felicidade momentânea que os toca. Estivemos sempre muito bem situados, com o apogeu da noite a se concretizar bem perto de um grupo de maravilhosas mulheres, que com grande euforia demonstraram a tremenda felicidade que continham em si. (Se alguma das leitoras for uma das participantes, que se acuse...)

Depois do fogo de artificio foi algo muito belo de se apreciar. Com acompanhantes daquele "calibre", até nós saltávamos, gritávamos, dançávamos...

Temos agora mais um ano para permanecer em tudo igual ou mudar algum pequeno pormenor que faça a diferença. Dia a dia se irá preenchendo este ano...


Fox