domingo, 3 de março de 2013

Cold white II



A chegada feita já de noite ao vale, trouxe dois corpos moídos e exaustos de uma longa viagem de avião. Agora caminhavam pela fofa neve de mãos enluvadas, juntas no contato possível, a dois corpos cheios de roupa que os escude destas temperaturas negativas. Dentro do carapuço dela quase apenas os olhos se notam, mas brilham como os pontos de luz mais belos que no estrelado céu desta noite se fazem notar. Ele está feliz. Ela está mais. 

Entram na cabana com o desejo de encontrar menos frio mas a diferença pouca será, ele avança direito à lareira de pedra negra pela fuligem. É homem, portanto estas lides fazem-lhe parte da genética. Apenas quando se encontra a meio do processo, se apercebe que não está a ter muito resultado na intenção. É um jovem da cidade, nunca acendeu uma fogueira na vida. Olha para ela com cara atrapalhada, ela responde-lhe com um sorriso aberto e olhar brilhante como água cristalina. Ele volta à árdua tarefa com redobrada energia e ânimo, até por fim lá conseguir criar o que há muito os seus antepassados descobriram com muito menos iq. 

Ela avança até ele e deposita-lhe um ternurento beijo nos lábios, mero agradecimento pelo esforço. Que bem lhe sabe ter alguém que se esforce pelo bem-estar dela. Não tem sido assim nos últimos anos. Tempo em demasia, que mais cedo ou mais tarde fazem mossa e não são os presentes caros que a fazem esquecer. 

Mas as tristezas não apagam dividas nem o cansaço do corpo. Não chegaram a esperar que a pequena cabana aquecesse, deitaram-se vestidos na rustica cama de madeira e cobriram-se com todas aquelas bafientas peles na esperança de afastar a fadiga do corpo. Um último beijo quente trocado entre bocas sedentas, antes de se enroscar com o braço protetor dele sobre si. De olhos fechados e sorriso nos lábios, assim se entregou ao sonho.


Fox

13 comentários:

  1. Era disto que sentia falta. É isto que te torna diferente ;)
    Experiências destas não se vivem todos os dias, há que aproveitar cada minuto, cada segundo. Quando estamos junto de quem nos inflama a alma, não existe frio que arrepie a pele nua.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É só isto que me torna diferente?!
      O frio permanece, a companhia é que o afasta...

      Eliminar
    2. Claro que não é só isto que te torna diferente... mas é uma qualidade que tens e que deves aproveitar mais.

      Eliminar
    3. Irei ter a observação em consideração. Vamos a ver se me inspiro para a escrita.

      Eliminar
    4. I'm looking forward to read you soon ;)

      Eliminar
  2. Por vezes dá vontade de "escapar" e viver algo semelhante. Excelente texto :) Faz-nos viajar.

    Lady Y*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh se dá, bem que não me importava de "escapar" com uma milf...
      Obrigado, Lady Y.

      Eliminar
    2. Fez-me dar uma gargalhada com a sua escolha peculiar para companhia :) Aventure-se :P

      Lady Y

      Eliminar
    3. Aventuro sempre que posso... ;)

      Eliminar
  3. Olá Fox,

    O texto acalma a alma, gestos tão simples mas tão profundos.
    Um abraço sentido sabe sempre tão bem.

    Rosa Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Rosa Maria, sabe bem. Muito bem. Mesmo no meio da neve...

      Eliminar