segunda-feira, 8 de abril de 2013

Rider


De punho enrolado percorreu uma vez mais a fria madrugada sozinha.
A estrada era sua. A luz era sua. O barulho era seu. A mota serpenteava rapidamente pela rua cheia de curvas cegas injetando-lhe adrenalina no sangue a um ritmo louco. Era impossível de parar. Era um estado de puro prazer psicológico.

Havia algo de especial em fazer aquele percurso apenas algumas horas antes do sol raiar. Apesar do cansaço de todas aquelas horas em trabalho, pilotava sempre com um sorriso nos lábios. Ela adorava fazê lo em qualquer altura mas aquele dia era diferente. Talvez fosse devido ao destino que tinha idealizado. Não lhe apetecia ir para casa, onde sentia tudo escuro, frio, solitário. Ela queria luz, calor, contato. Queria movimento, ação, sexo. Aliás, o que lhe apetecia mesmo era ser usada e abusada. Violada.

A distância era longa, feita curta na potência da Ducati negra. Rapidamente atingiu o seu objetivo. Parou junto à vivenda, desligou a ignição e calou o furioso ralenti do motor. Desceu agilmente da Ducati, tirou o Roof Boxer negro e ergueu o olhar para a janela do quarto. Desapertou o fecho do fato de cabedal negro, expondo o perfeito desenho de um decote exagerado e meteu a chave à porta.

Toda a casa dormia sob uma luz ténue e nenhum som se manifestava. Ali nada lhe pertencia, nem a chave sequer. Ela era apenas uma intrusa vestida num cabedal negro que lhe envolvia a morena pele. Mas vigorava a sua liberdade de visita através de um acordo estipulado entre ambos. Existem coisas que se devem manter simples, esta era uma delas.

Subiu as escadas que a levaram até ao patamar suspenso que seria o quarto onde ele dormia profundamente. Com um andar felino foi abrindo o fecho até atingir o seu limite bem abaixo de um perfeito umbigo. Despiu a parte superior do fato pelos ombros, expondo o peito à parca luz solar que furava as frinchas das persianas. Sentou-se na cadeira e descalçou as botas. Esticou a perna direita sobre a cama e abriu o fecho colocado atrás do gémeo, depois repetiu o mesmo na esquerda. Levantou-se e desceu o fato pelas longas pernas até não ser mais do que um monte de cabedal negro no chão e ela um corpo torneado e completamente nu.


Fox

2 comentários:

  1. É engraçado teres descrito o texto referindo-te a uma ela, diferente dos teus textos habituais. Sempre com o toque que te caracteriza na escrita, mas especial. Gostei ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, a ideia foi acompanhar uma inspiração, por isso recorri a uma personagem feminina.

      Eliminar