segunda-feira, 8 de julho de 2013

Long time no see


Dizem que o mundo é pequeno, que não passa de uma aldeia global. Parece ser mesmo verdade, as pessoas encontram-se quando menos esperam e ainda menos o desejam.

É curioso o que uma simples ida às compras consegue proporcionar. Realmente nunca poderemos deter a capacidade de descortinar os trilhos do destino. Foram três anos, os que se passaram desde a última vez que nos cruzamos. Desta vez ela não me viu mas eu vi-a. Está igual, não mudou. Parou no tempo. O que não é benéfico de se referir, devo dizer.

Quando olho para o passado apercebo-me das profundas mudanças que me impus a mim mesmo. Depois do choque que foi o fim da relação, planeei, recriei, desenvolvi o meu eu. Não sou o mesmo, tudo em mim se metamorfoseou, muito ou pouco, mas aconteceu. Quando penso nisto, chego à conclusão que de alguma forma ela era uma espécie de travão no meu desenvolvimento. Um travão que eu nunca constatei nem atribui atenção, absorto nos laços que se estabeleci com ela.

Males existem que surgem por bem. Este parece ser um desses, mas o futuro o dirá.

Hoje sou tão mais do que outrora fui.
Mas não quero ficar por aqui. 
Quero mais. 
Quero melhor. 
E sê-lo-ei!


Fox


8 comentários:

  1. E vais conseguir, querer é poder...

    :)))

    ResponderEliminar
  2. Foi bom ler-te hoje :). As tuas palavras são a validação de que às vezes o caminho acidentado é, apesar disso, o melhor caminho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só hoje Sibilla? ;)
      E que acidentado foi este caminho para onde fui empurrado sem deter escolha.
      Mas agora que olho para trás entendo e fico agradecido.

      Eliminar
    2. Principalmente hoje ;).
      É o meu dia Zero, em que tudo começa de novo... :)

      Eliminar
    3. Então foi com um timming perfeito que o escrevi. A vida é como o oceano, nem sempre é "flat" e a onda lá nos leva para outro lado sem saber o que se pode encontrar... ;)

      Eliminar
  3. O mais importante (assim me pareceu daquilo que li) é que a viste e ficaste "tranquilo". Realmente nada melhor do que o tempo para serenar os sentimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, isso também aconteceu S., o tempo cura tudo.

      Eliminar