sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Good book VI

As oito dádivas eternas da vida por Paulo Carvalho

Não foi nesta época que o li, mas fez-me muito bem quando mais precisei de orientação. Todos nós passamos por situações ao longo da vida em que perdemos o norte de tal forma que não temos noção do que fazemos. A minha desorientação ocorreu aquando do término da mais longa relação que tive. 

Não tenho por hábito ler este género de obra, mas foi a recomendação de alguém que parece ter surgido na minha vida apenas para me recomendar o livro e desaparecer pouco depois. Realmente a vida possui episódios muito estranhos. Mas o que é importante, é que de alguma forma a leitura do livro ajudou um pouco a prosseguir o caminho.

Uma das maiores lições que aproveitei desta obra, foi aquela que diz não valer a pena empurrar uma porta fechada. Nesses casos o melhor é dar um passo atrás e olhar em redor, iremos encontrar imensas outras portas entreabertas...


Fox

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Responsibility

Ela canta, pobre ceifeira

Ela canta, pobre ceifeira,
Julgando-se feliz talvez;
Canta, e ceifa, e a sua voz, cheia
De alegre e anónima viuvez,

Ondula como um canto de ave
No ar limpo como um limiar,
E há curvas no enredo suave
Do som que ela tem a cantar.

Ouvi-la alegra e entristece,
Na sua voz há o campo e a lida,
E canta como se tivesse
Mais razões pra cantar que a vida.

Ah, canta, canta sem razão!
O que em mim sente ‘stá pensando.
Derrama no meu coração
a tua incerta voz ondeando!

Ah, poder ser tu, sendo eu!
Ter a tua alegre inconsciência,
E a consciência disso!
Ó céu! Ó campo! Ó canção! A ciência

Pesa tanto e a vida é tão breve!
Entrai por mim dentro!
Tornai Minha alma a vossa sombra leve!
Depois, levando-me, passai!

Fernando Pessoa


Como sinto em tantas vezes e mais vezes ainda, aquela vontade de não sentir o malfadado peso da responsabilidade sobre os meus cansados ombros. Verga-me as costas agravando o laborioso trabalho de ultrapassar as enormes pedras que no caminho surgem. Entre crateras e pedras, parece que caminho décadas e décadas sem interrupção, quando o que queria era poder voar. Nada fará sentido se for apenas assim. Não pode ser assim. Mais terá de existir.

Quero voar. Voar de mão dada, sorriso nos lábios e brilho nos olhos. 


Fox

Moment

É uma estranha sensação, aquela em que durante um momento especial nos perguntamos se será mesmo real. Instintivamente temos a noção de que um acontecimento é efémero e como tal, ocorre e esvanece. Assim, tentamos perpetuar o momento mas a ampulheta não cessa a queda dos grãos de areia e tudo o que resta é uma recordação viva na memória. É uma pobre sombra do colorido filme que se viveu mas é o suficiente para alimentar a pequena chama que grassa por um novo momento.


Fox

domingo, 20 de outubro de 2013

Good book V

Sexo sem tabus por Marta Crawford

Porque a instrução nunca pecou por excesso, nem ninguém nasce ensinado, é importante ler obras como esta. Passamos a vida a aprender imensos factos distintos, então por que não aprender sobre aquilo que une duas pessoas num laço profundo de intimidade? O sexo é saudável e deve em todo o seu esplendor ser falado, experimentado, melhorado. Não seria esta sociedade um local mais interessante para se estar se vivêssemos o sexo mais abertamente?


Fox

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Age



A idade.

Incontornável símbolo que se cola a cada um de nós desde a nossa primeira inspiração até ao momento da ultima expiração. Para uns significa tudo, para outros não significa nada. No entanto, todos nós temos uma.

O que vos diz a idade? É elemento dissuasor da vossa interacção com outros? É impeditivo no vosso relacionamento amoroso? Estimam pessoas experimentadas? Ou preferem a juventude?

Tal como havia escrito anteriormente, achei interessante o rumo que um dos posts estava a ter quando a Ana Pereira lançou o mote à discussão das idades, de modo que decidi aproveitar o tema.


Fox

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Half smile

Um meio sorriso esboçado.
Um fio de cabelo caído.
Um olhar capturado.

A ternura do seu rosto conquista-me sem oposição. A beleza da sua alma prende-se sem correntes. Não quero resistir, não quero fugir. Quero apreciar. Quero o poder de parar as areias do tempo e as horas domar. Para entre suspiros e murmúrios apenas a apreciar.


Fox

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Good movie? Hell yeah XIII





Devo dizer que não sou fã dos filmes de língua portuguesa, ainda que este quase nenhuma tenha além de alguns palavrões, "cheira" a Portugal. Assim, a curiosidade da cotação no IMDB juntamente com o burburinho que pelo país circula, chamaram-me à atenção a este filme.
É um tanto estranho para mim, ver atores portugueses a atuar usando tanto da língua francesa e tão pouco do português mas mesmo numa língua diferente da materna a sua prestação é excelente. Estamos perante um formidável enredo que conta com um excelente leque de profissionais como todos facilmente deduzem. 

Vejam, pois o filme é de muito boa qualidade. Acredito que será um serão muito bem passado.


Fox

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Good book IV

A Arte da Guerra por Sun Tzu

Já fazia imensos anos que queria colocar os olhos numa versão digna desta antiquíssima obra de literatura. Sendo já muito antiga e escrita em chinês na sua versão inicial, é sempre complicado ter acesso a uma versão que apresente uma boa tradução. Mas com muita sorte minha, o C. ofereceu-me uma deslumbrante edição especial encadernada a seda vermelha, que aparenta ser bastante fidedigna. 
É um prazer ler as palavras de Tzu e constatar que mesmo após milhares de anos volvidos, os seus ensinamentos continuam tão presentes e revestidos de carácter multidisciplinar.


Fox

domingo, 6 de outubro de 2013

Going out

A agenda é apertada. As tarefas são imensas. A omnipresença não é uma possibilidade e o tempo escasseia. Quando se metem mulheres pelo meio, algumas prioridades se alteram em prol de outras...

Por outras palavras, em oposição ao que habitualmente acontece, passei todo o dia de ontem sozinho. Além dos afazeres habituais dos rapazes, houve mulheres à mistura durante a noite, de modo que deambulei pelas ruas usufruindo apenas da minha própria companhia.

Com ou sem acompanhantes, não me fecho em casa. Saio e entrego-me à noite, observando em silêncio e profunda reflexão tudo aquilo que vejo. O sabor de um amargo café e o aroma de uma cigarrilha são as minhas predilectas sensações.

Entre inúmeras vozes estou rodeado de silêncio. Não falo, não ouço, observo.

Cada vez mais me repugnam alguns comportamentos perpetuados por indivíduos presentes na nossa sociedade.


Fox

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Fetish


Quando li esta notícia quase pensei imediatamente que o sexo é perigoso, pode matar! 
Mas na realidade, perigosos são os fetiches que algumas pessoas possuem. Até se compreende que a rotina seja saturante mas temos de ter um pouco de noção quando ultrapassamos alguns limites...

Que dizem vocês acerca dos fetiches? 

Quem por aqui os tem? Se houver algum que possa ser partilhado, estejam à vontade...


Fox