segunda-feira, 24 de março de 2014

The Train III

A espera que antecede um momento com hora marcada deixava-o sempre ansioso, fruto desse nervosismo nascia-lhe a vontade da nicotina. Enquanto esperava na orla da plataforma, sacou de um cigarro e observou.

Nasceu com dom para a imagem, para a observação, essencialmente através de uma lente. Era fotógrafo desde que se lembrava. Quando ainda pequeno, perdia horas a fio com câmaras de brincar enquanto representação da realidade que hoje abraçava. Era profissional desde que começou a ser requisitado e pago por aquilo que fazia melhor. Sendo essa precisa razão que o levou a esperar o comboio que rumava à capital.

Entre um casal de idosos que aguardava sentado num banco e um grupo ruidoso de jovens que entoavam músicas de um qualquer artista, pouco mais se destacava à atenção. Contudo, algures atrás de um dos pilares da plataforma ele descobriu-a. E o encanto foi imediato.

A sua figura era encantadora. Cabelos longos e castanhos, pele branca e macia, rosto delicado e belo, lábios voluptuosos e sensuais, rematando com uns deslumbrantes olhos cor de mel. Não se conseguiu impedir de esboçar um sorriso quando estabeleceu contato visual com aqueles olhos. Foram instantes de puro êxtase. Pouco depois ouviu a programada voz indicar a chegada à linha número oito do comboio com destino à estação de Santa Apolónia.

Deu um último folego ao cigarro e apagou-o no chão, subindo em seguida para a sua carruagem. Ao consultar o bilhete, verificou que não teve sorte com o lugar, tinha de ir de costas voltadas ao avanço do comboio. Só esperava agora encontrar a felicidade de ter alguém visualmente interessante no banco em frente ao seu, caso contrário seriam mais de duas horas a dormir.

Sentou-se no seu banco e abriu a mochila. Envolta em delicados panos aveludados, estava embrulhada uma velha máquina Leica que manuseava com muito cuidado. Foi perdido nesta contemplação que ouviu uma voz perto de si.

 - Desculpe, será que me podia ajudar com a minha mala? É muito pesada para eu a colocar ali em cima.

Quando deslocou o olhar da Leica para a mala, viu que esta era pintada num rosa choque muito pouco usual.


Fox + Ana Mar

Sem comentários:

Enviar um comentário