quinta-feira, 5 de março de 2015

Return




Recentemente foi-me questionada a razão pela qual imperava um misterioso silêncio neste blog. Ao pensar nisso, verifiquei que de facto já não escrevia desde Janeiro. A razão? Nenhuma em especial, a bem dizer. Simplesmente a insuficiência de tempo disponível para tudo conciliar.

Insuficiência de tempo disponível. Assunto perigoso, este. 

Antes de mim, todos os meus antepassados conseguiram viver as suas vidas com as mesmas 24h que hoje tenho, contudo, queixo-me. Será que também eles se aborreciam com a ausência de tempo para fazer aquilo que lhes seria exigido? Terá D. Afonso Henriques pensado que um dia tinha horas insuficientes para conseguir expulsar mouros?

Os parâmetros pelos quais a atual sociedade se rege, são por demais exigentes em múltiplos vértices, especialmente no que se refere à velocidade a que tudo se processa. Já Castells e Bauman gastaram muito do seu latim com esse tema. 

Quanto mais penso neste assunto, menos o aprecio. Dá-me a sensação que andamos nestas andanças sem estimar aquilo que mais devemos. Temo que um dia me aperceba que tudo foi em vão.



Fox

4 comentários:

  1. Olá
    na minha opinião nós vamos mudando os gostos ao longo da nossa vida
    e do que vivênciamos.
    Chega um dia, em que percebemos que algumas coisas, foram perda de tempo...outras iremos lamentar não ter aproveitado da melhor forma, mas tenho para mim que são os afectos a nossa casa e é sempre bom ter uma casa onde regressar...tudo o resto complementa a nossa vida mas não se equipara!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá está, serão aquelas pequenas coisas que nunca se traduzem naquilo para o qual gastamos a maior parte da nossa vida. Criação de recursos financeiros.

      Vivemos muito em prol de ideais materialistas que de conteúdo pouco possuem, roubando o precioso tempo que temos para disponibilizar ao que realmente importa.

      Eliminar
  2. Olá!

    Diz-se que quando queremos arranjamos sempre tempo... fazemos é escolhas daquilo que no momento é, ou parece ser, mais importante.

    Seja muito bem vindo à sua casa. Deste lado é muito bem recebido :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por vezes não conseguimos, apesar de o querer fazer.

      Muito agradecido, Rosa. ;)

      Eliminar