segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Kids


Tenho plena consciência de que assim que ativar esta publicação, a maioria das leitoras irá censurar-me, mas pobre de mim se não expresso os meus pontos de vista.

Crianças. Não gosto. Não tenho a mais pequena disponibilidade psicológica para os aturar.

São muito engraçados no colo dos outros, quando não é a nós que nos tiram o sono ou dão um desfalque na conta bancária. Numa época em que se torna tremendamente complicado fazer prevalecer os mais básicos princípios de respeito e cordialidade, a ideia de criar uma criança dentro deste meio, assusta. É uma missão para a vida, da qual não existe desistência ou qualquer possibilidade de troca. Não se trata de um direito, trata-se de um dever para com um ser humano e uma sociedade.

Todavia, tenho a clarividência necessária para saber que não os quero, e uma vez que não possuo a totalidade de requisitos para ser um pai perfeito, o mais lógico é manter-me longe dessas responsabilidades. Infelizmente são muitos aqueles que se esquecem desta diretiva, produzindo filhos como quem compra camisas, esquecendo a tremenda responsabilidade que implicam. Somente durante toda uma vida.


Fox

8 comentários:

  1. Não tenho porque censurar-te. Aliás dou-te os parabéns, porque antes ter a consciência que não os quer, nem as responsabilidades que eles acarretam, do tê-los por ter. Se não queres não queres... Eu por exemplo quero ter filhos mas não os terei sem ter as condições mínimas para tal. Não quero ser mãe à custa dos avós, nem ter um filho com quem sei que não será um pai no verdadeiro sentido da palavra..por isso aguardo. Se vou aguardar tempo a mais ainda é cedo para saber isso...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora nem mais, tenho plena consciência da responsabilidade e do "investimento" físico e psicológico que um filho implica.
      Vais é ter sempre o problema de não saber até que ponto terás um verdadeiro "pai" do outro lado. São muitos aqueles que acedem sê-lo quase perante um ultimato.

      Eliminar
  2. Ainda não sou mãe, adoro crianças mas não te censuro. A educação de um filho é uma responsabilidade muito grande e como bem disseste, ter um filho não é coisa dias, semanas ou meses, é um compromisso para toda a vida. Acho que todas as pessoas não nascem para ter filhos, pelo que se não o sentes nem desejas não vejo mal nenhum... É preferível assumir tal coisa é ser sinceros e não andar a ter filhos para logo não dar o amor, a atenção e a educação que é supota...

    Acamartinez

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um compromisso sério para toda a vida. Isso é o que mais me choca em toda esta história. Ver imensas pessoas ter filhos quando já não conseguem manter a relação estável antes deles chegarem.

      Eliminar
    2. Pois isso é verdade, se nós próprios não estamos estáveis emocionalmente, é muito difícil dar estabilidade a um ser que depende de ti a 100%, pelo menos durante os primeros anos de vida.

      Acamartinez

      Eliminar
    3. Por esta e por outras é que este assunto é no meu entender, extremamente complexo de se compreender.

      Eliminar
  3. Compreendo perfeitamente o teu ponto de vista!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vá, parece que afinal consigo ser compreendido.

      Eliminar