terça-feira, 28 de junho de 2016

Restart





O dia havia amanhecido soalheiro, quatro horas antes de ela acordar nua e sozinha na sua cama. Novamente. Andava a perder a noção das horas depois de ele se ter ido. De vez.

Abriu os seus enormes olhos verdes e absorveu os raios de sol que entravam pelas frinchas dos estores. Perguntou-se se teria coragem de sair à rua e fazer algo de diferente. Algo que combatesse aquela letargia em que se tinha colocado. As férias iam terminar sem que ela tivesse realmente feito algo de substancial.

Levantou-se e dirigiu-se à casa de banho. Olhou o espelho e viu-a. Viu-se. Alta, voluptuosa, tez morena, cabelo loiro escuro, olhos verdes e uma boca deliciosa, carnuda e perfeitamente delineada. Esboçou um ligeiro sorriso e tocou o seu peito, afinal nem tudo poderia estar perdido. Tinha bem mais do que a maioria poderia desejar. Ainda continuava a ser um deslumbre de mulher, um sonho ardente para a maioria dos homens. A confiança voltava a si.

Abriu a porta de vidro e deixou cair a água quente sobre aquele corpo torneado e faminto, tocando-se enquanto se lembrava dele. Estava húmida. Tinha saudades de beijar, tocar, lamber, abraçar, chupar... Saudades de libertar a fera que habitava nela e que rugia para saborear o adocicado aroma de dois corpos suados. Os seus dedos percorreram rapidamente e com grande destreza os seus pontos mais erógenos. Conhecia-se bem demais, conhecia bem demais a anatomia de um corpo. Atingiu rapidamente o clímax explodindo num grito corpóreo e libertador. Deixou a água levar as impurezas da pele com renovada confiança e satisfação. Os seus orgasmos eram diferentes, alimentavam-lhe o ego.

Dirigiu-se ao quarto de vestir. Observou serenamente, a enorme coleção de roupa à sua disposição. Ignorou por completo a seção da roupa interior, uma vez que o dia estava quente e ela gostava de se sentir livre. Calçou umas meias de ligas negras, escolheu um vestido azul-escuro bastante justo e calçou uns high heels negros. Olhou-se no espelho e sorriu de forma sensual. Sentia-se bem, sentia-se poderosa, sentia-se ela mesma. Pegou na carteira, nos óculos de sol, nas chaves do carro e saiu.


Fox

6 comentários:

  1. Uma mulher tem de se sentir poderosa e desejada, e nada melhor do que ela ver/sentir que nada lhe pode derrubar, deitar abaixo. Good fellings trazem good thoughts, good thoughts trazem autoconfiança e poder. :)
    P.s mais um belo texto :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma mulher segura de si é algo extremamente interessante. A receita até nem é complicada, basta usar o poder da mente e focar no positivo.
      Fica por aí, a continuação chegará a seu tempo...

      Eliminar
  2. Que bom regressares às histórias!
    E, pelo que li, esta promete!...;)
    Boa inspiração!
    Já agora, quem foi a musa?;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já era tempo de rasurar umas linhas neste segmento...
      Gostaste? Vamos a ver como se desenrola o restante enredo.
      Deram-me umas dicas e o resto é "corta e cose". ;)

      Eliminar
    2. Sim, já era tempo; escreves boas histórias! Muito sexuais...
      Estou curiosa com o que vem aí, portanto, Gostei!
      Ah, Fox, sempre misterioso!...

      Eliminar
    3. Obrigado, ana.bb. ;)
      Tens de aguardar pelo restante. Assim que o próximo capítulo esteja terminado eu coloco.

      Eliminar