domingo, 31 de julho de 2016

Skid marks



Foi por pouco. Hoje pensei que já não voltava. 

Se não fossem os Brembo, talvez não tivesse vindo.

É absolutamente impressionante como a nossa vida pode terminar num mero ápice. Sem tempo para impedir, pensar ou falar. Apenas se consegue reagir por instinto e ainda assim, muito pouco.

Espero que aquele "artista" passe por algo idêntico para aprender a ser mais responsável na próxima vez que entra numa estrada, uma vez que esta não é pertença dele.

Odeio condutores de domingo!


Fox

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Gym report I



Um mês de treino e um incremento de 1,5kgs de massa muscular.

46,6kgs de massa muscular.

10,6% de massa gorda.

O abdominal já começa a ficar novamente tonificado.

Parece-me bem.



Fox

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Why



Será que me podem explicar o que leva uma pessoa a cometer repetidamente os mesmos erros?

Mesmo perante a alerta e a exposição minuciosa dessas decisões erráticas e das suas consequências, persiste no erro!

Por que razão?


Fox

terça-feira, 19 de julho de 2016

Beast



Existem aqueles que o fazem de forma calma. Existem aqueles que o fazem de forma acelerada. Existem aqueles que o fazem de forma bruta. O gesto é o mesmo mas cada um tem a sua própria forma de se libertar sexualmente.

No meu caso, sinto-me cada vez mais animalesco. As marcas que deixo mostram bem a agressividade com que me comporto naqueles largos momentos.

Não sei se me devo sentir realizado ou receoso. Tem sido uma fase fabulosa de descoberta de mim mesmo e da minha verdadeira natureza, todavia, não sei o que poderá estar aqui escondido.

Depois de saborear estes momentos de frenesim, sinto-me dividido entre a satisfação e a culpa. Começo a ter receio de mim mesmo.


Fox

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Restart III




Ajustou o vestido, puxou as mamas para cima, arranjou o cabelo e seguiu-o, caminhando com um porte gracioso. O vizinho do 4D já estava a deitar o saco para dentro de um dos contentores quando ela entrou e fechou a porta atrás de si. O ambiente daquela divisão era sombrio e o ar que lá dentro se respirava era fétido, criando uma sensação quase claustrofóbica. Ela sentiu a temperatura subir bastante assim que entrou.

Ele virou-se e olhou-a com um ar de genuína incógnita, perguntando-se por que razão ela o teria seguido até ali.

- Qual é a forma mais antiga do mundo para solucionar problemas? – Disse ela com bastante calma, ostentando um sorriso de enorme desafio.

A cara dele era um misto de espanto e volatilidade. Deu dois passos na sua direção e ficou apenas à distância de um sopro. Tocou-lhe nas mamas e disse com um rosto indecifrável:

- Ora, é esta.

Ela mordeu o lábio e deu-lhe um empurrão. Ele ficou enfurecido com o seu gesto e cerrou os punhos. Os seus olhos cruzaram-se com a mesma fogosidade de um sol ardente. Ela ultrapassou a distância que os afastava e atirou-se aos seus lábios com um desejo animal. Ele libertou o apetite que trazia acumulado e beijou-a com uma agressividade quase violenta. Foi o início de uma batalha de egos exacerbados pela descoberta daquele que dominava mais.

Empurrões, arranhadelas, apertos, tudo valia para mostrar o desejo que ambos sentiam a explodir no seu interior. Ele enterrou a cara entre as mamas e lambeu-lhe a pele com clara ausência de um sentido de oportunidade. A sua falta de habilidade era notória, tinha garra mas não tinha a experiência. Ela sentiu-se desiludida. Agarrou-lhe o cabelo e empurrou-lhe a cabeça para baixo. Estava na hora de mostrar quem mandava.

- Para baixo. - Disse ela com voz autoritária.

Ele obedeceu e colocou-se de joelhos. Ela subiu o vestido e revelou as suas voluptuosas pernas com as meias de ligas. Vê-la sem roupa interior deixou-o ainda mais empolgado. De mão firmemente presa no seu cabelo, ela guiou-o para onde o desejava sentir. Ele compreendeu a mensagem e usou a língua como era suposto. A delicadeza não era nenhuma mas esta dececionante surpresa trazia-lhe uma nova experiência.


Fox

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Narcissist




Sou.

Não queria, mas também não o consigo evitar. Já tentei.

É um pouco aborrecido ser assim, com os aspetos negativos que todos conhecem, mas também traz alguns positivos. No meu caso, procuro controlar os negativos e libertar os positivos, tentando fazer algo de útil com esta condição. Por exemplo, neste momento está a contribuir para ter ânsia de evoluir a minha forma de estar e de ser.

Descobrir as características desta perturbação representou um passo importante, pois permitiu reconhecer alguns dos erros que cometo e entender por que razão me comporto de determinada forma. 

Se me preocupa? Claro que não. Quem não gostar pode ir andando...


Fox

sábado, 9 de julho de 2016

Strife




Sinto a minha paciência por um fio.

Ontem tive que pensar duas vezes antes de resolver as coisas à minha maneira.

Isto não vai acabar sem um confronto.


Fox

Forward



Parar é morrer e para isso já me basta quando chegar a minha hora.

Quando eu tomo decisões costumam ser significativas e normalmente alteram profundamente as minhas rotinas, baralhando-me toda a programação já estabelecida. 

Este é um desses momentos. 

Não sei o que irá acontecer, nem de que forma a minha vida se irá alterar, mas se não vou em frente sei que me irei sentir por demais contrariado.

Será como tiver de ser.


Fox

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Restart II




O elevador abriu as portas dois pisos abaixo da superfície. Estava escuro como a noite mas ela conhecia a topologia do espaço. Caminhou confiante até ao seu destino. Apontou o comando e pressionou o botão. Nada. Pressionou novamente. Nada. Pressionou novamente. Nada. Bufou, irritada. 

Observando o comando com um olhar muito pouco entendedor, procurou descortinar por que razão o automóvel não destrancava as portas. Seria falta de pilha? Estaria avariado? Não conseguiu descobrir. Inseriu a chave na fechadura e abriu a viatura. Sentou-se. Inseriu a chave na ignição e rodou. Nada. Rodou novamente. Nada. Rodou novamente. Nada.

Bateu no volante e gritou cheia de raiva. O dia começava de forma complicada. Junto à casa do lixo, o vizinho do 4D observava a triste cena com um saco de plástico preto na mão e um sorriso de escárnio nos lábios. 

“Mulheres” - pensou para si mesmo abanando a cabeça.

Dentro do carro, ela começava a desesperar. O automóvel não dava sinal de vida e ela queria sair. Logo hoje que tinha vontade de espairecer, gastar dinheiro, tentar a encontrar um novo caminho, acontecia-lhe isto. Quase com as lágrimas nos olhos procurou o telemóvel dentro da carteira. Procurou mas não o encontrou. Ele aproximou-se da viatura, silencioso como um gato.

- Precisa de mama. – disse ele numa voz rouca e autoritária.

- Desculpe?! Preciso do quê?! – respondeu ela de forma bastante agressiva.

- O carro. Precisa de receber “mama”. Energia para a bateria.

- Mama? Bateria? Não percebo nada do que me está a dizer.

- Abra o capot. Eu vou buscar o meu carro.

Assim que deu a ordem, virou costas e desapareceu em direção ao fundo da garagem. Ela ficou parada com o telemóvel na mão, a ver as costas espadaúdas do moreno do 4D afastarem-se. 

- Abro o capot?! Mas já manda?

Alguns instantes depois, ouviu-se o poderoso som de um motor. O vizinho do 4D parou o seu jipe em frente ao automóvel dela. O capot continuava fechado. Ele saiu com os cabos na mão e olhou-a nos olhos. Ela respondeu com desafio ao contato visual.


Fox

terça-feira, 5 de julho de 2016

Drawing



O acompanhamento do processo de desenvolvimento de algo custom made é simplesmente apaixonante. Especialmente quando se refere a momentos que possuem um significado profundo e marcante na nossa vida. 

Esta está a ser a melhor fase da minha vida, sem dúvida alguma.


Fox

sábado, 2 de julho de 2016

Ink III



Outra vez!

Ele diz que no final, a tatuagem vai "partir tudo". 

Eu estou cada vez mais eufórico com o rumo que esta construção está a tomar. 

Na primeira vez que as agulhas tocaram a pele, dei por mim a pensar que já sentia a falta da sensação de dor. Será que me devo preocupar?



Fox