segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Secret VII





Por que razão as pessoas não possuem a coragem necessária para fazerem aquilo que sentem que as faria felizes?


Fox

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Crossroad



"Como podemos distinguir quem cruza o nosso caminho por cruzar, daqueles que realmente devem ficar?" 

Em conversa com a A. acabou por surgir esta questão. Penso que seja uma daquelas questões que todas as pessoas fazem a si mesmas, pelo menos uma vez na vida.

Quanto a mim, uma vez que acredito que todos temos um percurso delineado, creio que tudo se desenrole segundo os desígnios do Destino. Sim, sou um desses. Acredito na ordem e na organização, portanto, seria somente lógico que também procurasse uma arquitetura nos desígnios da vida.

Desta forma, não perco muito tempo a considerar por que razão é que as pessoas ficam ou partem da minha vida. Acredito que aqueles que sejam suficientemente importantes para o desenrolar do meu caminho irão ficar, quer eu me esforce muito ou pouco, para que tal aconteça.

E quanto a vocês? Como distinguem estas pessoas?


Fox

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

ECG



Um exame de rotina apresenta uma ligeira alteração, aparentemente comum nesta faixa etária, e imediatamente começa-se a sentir a preocupação dos outros, dissimulada por piadas sem graça. As pessoas apegam-se tanto ao que estão habituadas a ter que até se esquecem que tudo nesta vida é efémero.

Não gosto que se preocupem comigo mas nunca o consigo explicar eficientemente a terceiros.


Fox

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Secret VI



Por que razão, o humano trai (sexualmente) a confiança daquele com quem decidiu a dado instante, partilhar a sua vida?


Fox

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Dirty City VI




Ainda sobre o corpo bastante maltratado do rufia, Kurt observa, sem nada em particular ver, as suas mãos pintadas de vermelho. Não se mexe um milímetro, parece perdido numa qualquer contemplação que ninguém entenderia. Uma mão trémula e ensanguentada deposita-se sobre o seu ombro, numa tentativa de o fazer acordar desta letargia em que se encontra.

- Senhor, pare por favor. Acho que já chega. – Diz uma mulher entre lágrimas.

- O quê? – Pergunta rudemente Kurt sem tirar os olhos das suas mãos vermelhas.

- O homem. Acho que já não se levanta mais.

Kurt ergue a cabeça para a mulher que o observava com olhos pesados de choro e a cara bastante inchada. Tem o olho esquerdo fechado e bastantes cortes na bochecha direita. Ainda não lhe havia visto a face, no meio da chuva tudo lhe parecia toldado. Ao vê-la, o seu olhar rapidamente assume uma expressão de repúdio, um quase ódio palpável. Ergue-se do chão e afasta-se do corpo imóvel coberto de sangue. Mas não antes de disferir um forte pontapé na cara do outro rufia ainda inconsciente no chão. Caminha pesadamente em direção à rua enquanto procura pelo casaco que largou junto dos caixotes de lixo na entrada do beco. Veste-o e encaminha-se para casa resmungando para consigo mesmo.

- Estúpido! Devias aprender a estar quieto! – Diz a si mesmo entre dentes.

- Espere. – Grita a mulher.

De Kurt não obtém resposta, nem sequer vê o seu passo ser abrandado. Simplesmente é ignorada. Sem desistir, tenta acelerar o andamento na ânsia de conseguir apanhar Kurt. Agarra-lhe por fim numa manga do casaco, pedindo novamente para esperar.

- Senhor, queria agradecer por… - Diz quase sem fôlego.

- Larga-me, preta! – Responde agressivamente Kurt com um ódio flamejante nos olhos.

A mulher fica especada no mesmo sítio como se enraizada no negro cimento do pavimento. De braços caídos, observa o desconhecido que a acaba de salvar, repudia-la pela sua cor de pele. Sente-se suja, quebrada, magoada. Não sabe o que lhe terá doido mais, se a agressão física ou a verbal. A chuva cai-lhe sobre a cara onde se mistura com as lágrimas que saem dos seus enormes olhos verdes. A sua roupa agora feita em farrapos expõe à luz do candeeiro a sua pele mestiça.


Fox

domingo, 23 de outubro de 2016

Music everywhere XXVI


All That Remains - Criticism and Self-Realization

One by one, they stand single file
To see the king of the hill atop his worthless pile
The king has no clothes
Throw stones
Watch him implode
All for one or are we all alone

Brick by brick, it's a house built on lies
Because illusion is easy to young adoring eyes
It's not hard to see
Through deceit
Make them believe
Fight the stampede, be the one to lead

All my missteps, I retrace
Every failure, I'll erase
My pride is gone
I find the strength to carry on
Looking back, what's left of me
Am I the person that I wanna be
Do I belong
I find the strength to carry on

Rung by rung, he's climbed up to the top
But once the engine is running, it's hard to make it stop
Ignore what you're told
Eyes closed
Dig from below
Don't care where you're from, just where you go

Step by step, we're ignoring the signs
That cocky bastard is planting the seeds of his demise
There's nothing to gain
Only shame
We fan the flames
Fight through the pain, live another day
Just one more day

All my missteps, I retrace
Every failure, I'll erase
My pride is gone
I find the strength to carry on
Looking back, what's left of me
Am I the person that I wanna be
Do I belong
Do I belong

Writing’s on the wall
That Cheshire smile says you don't have the courage to take the fall
You're not fooling anyone
You're no one

All my missteps, I retrace
Every failure, I'll erase
My pride is gone
I find the strength to carry on
Looking back, what's left of me
Am I the person that I wanna be
Do I belong
Do I belong



Fox

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Lack




Sinto falta do que não sinto falta.

Sei que não preciso de nada, pois tenho tudo em mim.

Mas

Sinto falta do que não sinto falta.


Fox

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Door




Quando paro e olho para trás, vejo muitas portas abertas. Portas por onde passei.

Quando paro e olho em frente, vejo muitas portas fechadas. Portas por onde vou passar.

Nenhuma possui cor mas dizem que podemos ter a felicidade de encontrar uma que tem uma cor garrida.

É essa que quero abrir. Trago a chave comigo. Sempre a tive.


Fox

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Burn



Por vezes até nem dá grande jeito ser habilidoso em trabalhos manuais...

Mas eu gosto. 

Adoro colocar as mãos em tarefas mundanas e solucionar problemas. Desta vez, trocar um sensor avariado no automóvel resultou numa queimadura em três dedos e imensa pele a querer sair da mão.

Como se a minha vida já não estivesse suficientemente complicada no presente momento.

Ah, mas troquei o sensor!


Fox

Sunrise




Nunca fui muito de pensar no dia de amanhã.

Na elaboração de grandes planos, entenda-se. 

Sempre preferi viver o meu dia-a-dia, cometendo as loucuras que me sabem bem, mesmo que isso implique ser mais ousado do que seria suposto. Agora dou por mim desfasado com o estereótipo social e não me sinto mal, antes pelo contrário, sinto-me fiel a mim mesmo. Não sou refém de nenhum ideal ou plano elaborado há x anos atrás, sou apenas eu. 

Irreverente, radical e incontrolável mas puro.

E vocês? Delinearam algum plano? Seguem-no?


Fox 

domingo, 16 de outubro de 2016

Music everywhere XXV


Caliban - Cries And Whispers

Cries and whispers - Peace and twisters

I still remember the time of hope and fear
The time we had before all turned into tears
(I'm) embraced by darkness - I can't see the light,
I know she's dead - swallowed by the deepest night

I can't feel my aching heart 
Everything has fallen apart
Your voice still sounds in my head
Speak the words you've never said

Cries and whispers - Peace and twisters

All dead and gone, but who is to blame?
Right from the start we choke the flame
We set the course straight to hell,
From a lightning storm into a heavy swell

I can't feel my aching heart 
Everything has fallen apart
Your voice still sounds in my head
Speak the words you've never said

Mend my broken heart when everything has fallen apart

Beyond the horizon - after all is said and done
I walk alone towards the midnight sun
The path ascends - no end in sight
Where do we go from here - I still search for light

I can't feel my aching heart 
Everything has fallen apart
Your voice still sounds in my head
Speak the words you've never said


Fox

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Chain


Todos nós já erramos na vida e desses momentos mais infelizes, assimilamos conhecimento que usamos para impedir novos erros. Trata-se de uma lei natural no humano que lhe permite um desenvolvimento exponencial ao longo da vida.

Desse conhecimento acumulado, partilhamos aquilo que podemos em auxílio a terceiros. Um gesto puro e inocente que visa somente o impedimento de erros que já nos são familiares. Mas não o aceitam.

Preferem estar junto ao precipício e dar um passo para o desconhecido. Depois de desaparecerem no fino ar, vemos uma enorme corrente de ferro ser puxada descontroladamente. Na sua extremidade está presa a nossa perna.

Platão aferiu que "o homem inteligente aprende com os seus próprios sofrimentos; O homem sábio aprende com os sofrimentos alheios."

Serão assim tão poucos, os sábios entre nós?


Fox

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Dark




Ando a comer mais do que o costume. Já sei o que isso significa.

Damn!


Fox

terça-feira, 11 de outubro de 2016

House



A mensagem chegou mas tive de a ler duas ou três vezes para a conseguir assimilar. Trazia aquele género de informação que nunca esperamos ler. Quer dizer, esperamos, pois é perfeitamente possível mas muito pouco provável. 

Pois é, parece que finalmente o C. se rendeu às investidas da namorada (ainda resistiu uns anos) e aceitou ir viver com ela.

A surpresa! O choque! O terror!

Sabia que as investidas se tinham tornado cíclicas nos últimos tempos mas não esperava que ele cedesse. Penso que a idade o está a amolecer ou então encontrou quem lhe toca bem fundo no coração e apenas o esconde. Bem, independentemente do que seja, faz parte da vida.

Fico muito feliz por ele, claro, adoro sentir e saber que os meus amigos se sentem realizados.

mas

Fico muito triste por mim, claro, detesto sentir e saber que eu não me sinto realizado.


Fox

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Dirty City V




Frio espalha-se pelo seu estômago, calor sobe-lhe pelos membros, os olhos ficam vítreos, a mente rapidamente fica turva e negra. Ele sente o que aí vem e já sabe que não será bonito. Nunca o é. Abre o fecho do casaco e atira-o para cima de uns caixotes de lixo. Não precisa de se proteger do frio e muita roupa atrapalha o que aí vem. Caminha calma e decididamente em direção aos dois indivíduos, escutando a cacofonia de gritos que ecoam pelo beco e os sons de roupa a ser rasgada. Estalam-lhe a mente como se fosse feita de vidro. Ele só quer que pare.

Entretidos na sua ocupação, os dois rufias não se apercebem da sua presença até já estar sobre o pescoço do primeiro. Agarrando-o num poderoso movimento de mata-leão, afastou-o de perto da mulher que se debatia debilmente com mãos e pernas perante os seus agressores. O movimento causou espanto em ambos, que não haviam dado pela sua chegada.

- Grrrrr. Mas… Larga-me! – Grita desesperado, já a sentir o ar a escassear.

- Ei! Larga-o. Também queres um pouco disto é? Junta-te a nós. Ela chega para todos. – Diz o mais pequeno dos dois com um sinistro sorriso na cara.

Os olhos de Kurt estão escuros, vítreos e focados no rufia que se mantém na sua frente, enquanto aperta inexoravelmente o pescoço daquele que se encontra capturado na sua chave de braços. O seu rosto não exprime qualquer emoção. Debatendo-se contra o aperto que lhe rouba o ar dos pulmões, tenta em vão arranhar os braços de Kurt que não cedem um milímetro. A falta de oxigénio no cérebro leva-o a ficar rapidamente inconsciente e é atirado para o chão. Vendo a aflição do colega, o segundo rufia corre para Kurt com uma faca em riste e pronto a atacar, mas é recebido com um forte pontapé em pleno peito que o atira ao chão. Kurt afasta faça para longe com um pontapé. Sente a adrenalina a aumentar cada vez mais e salta sobre o rufia caído no chão disferindo soco atrás de soco, até a cara não parecer mais do que um enorme borrão escarlate.


Fox

domingo, 9 de outubro de 2016

Focus



Será que o peso, positivo ou negativo, agregado aos acontecimentos que nos envolvem é influenciado pelo foco que lhe atribuímos? Poderá a nossa vontade em conseguir atingir determinado fim condicionar o resultado de uma ação, caso perturbe a sua resolução? Ou se se relativizar algo, não lhe colocando qualquer pressão, o seu desenlace será mais natural? Não estaremos apenas a demonstrar que não nos interessamos com o resultado?


Fox

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Spin



A vida corre em frente, numa linha ininterrupta de momentos que se marcam e nos marcam eternamente. Mas por vezes, também gira. Sim, a vida gosta de girar.

Vamos fazendo planos, mais ou menos elaborados, que se prendem a desejos e a intenções que acalentamos. Contamos com a sua concretização, pois é sempre nosso desejo, perpetuar o fluxo que nos impulsiona e acende a chama da vida. Mas a vida gosta de girar.

Roda e roda nos seus próprios eixos, deixando o indivíduo inesperadamente baralhado com o amanhã. Sem saber o que fazer ou pensar, fica refém do peso da desilusão. 

Se for forte, combate, se for fraco, derrota-se.


Fox

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Music everywhere XXIV


Mark Tremonti - Dust

Cut through the fetters, reach the end
Only to fight yourself again
Who would believe that now you’re done
You carried the weight of everyone
After all the time we spent
Rewriting the rules that now we bend
The whole damn thing has turned to dust
You left us alone, defeated us

Why did you head out
Did you lack the love?
Hide from our eyes now
The reflection of

Once fell behind to carry me
You know it was never meant to be
Bled for the right to see it through
And now is the time to carry you
Why were we afraid to go?
We asked for the truth and now we know
The whole damn thing has turned to dust
The ashes you left to bury us

Why did you head out
Did you lack the love?
Hide from our eyes now
The reflection of

Why did you head out
Did you lack the love?
Hide from our eyes now
The reflection of

Why did you head out?
Did you lack the love?
Hide from our eyes now
The reflection of


Fox

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Few




Mulheres existem muitas, ainda assim, cada vez mais me convenço de que não. 

Confuso? 

Nem por isso, um pensamento bastante simples na realidade.


Fox

domingo, 2 de outubro de 2016

Ink VII




Mais uma etapa. Mais um pormenor.

A enorme narrativa torna-se mais densa e materializa-se em mim. A negro. Para sempre.


Fox