quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Election



A expressão que me apetecia escrever é bastante usada nos Estados Unidos da América e resume-se somente com três letras, wtf.

Quando pensamos que as pessoas conseguem ser inteligentes e escolher o menor de dois males, elas surpreendem tudo e todos, escolhendo justamente o maior. Não que a outra facção fosse tanto melhor, mas pelo menos não seria tão instável. 

Tão imprevisível. Tão colérica. Tão egocêntrica.

Há 83 anos atrás, criou-se um vazio politico num país europeu, facilitando o aparecimento e ascensão de um ser inteligente e um comunicador brilhante. O povo seguia-o por todo o lado com ardor e desalmada vontade de acreditar num credo de poder e unidade. Seis anos depois, abriam-se as portas do inferno.

Sinto que no presente momento nos encontramos numa situação ainda mais problemática. Não estamos perante um comunicador brilhante, nem tão pouco um individuo de elevado índice intelectual, estamos perante um ser que não esconde o que é, sendo isso tão pouco.

Hoje estou triste. Muito triste pela escolha efetuada pelo povo de uma das maiores potências do mundo. Triste pelo hipotético futuro da humanidade.

Resta-me acompanhar a construção da história e ir engraxando as minhas velhas botas do exército...


Fox

2 comentários:

  1. Este resultado esquizofrénico fez-me reagir exactamente com as mesmas palavras: WTF??!!!
    Subscrevo todo o teu discurso e tremo perante todos os vaticínios possíveis, com o país mais poderoso do mundo nas mãos de um megalómano.
    "God Bless America" :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida. Todos sabemos que os políticos são como "são", mas neste caso nem um político temos. Não estou a acreditar que uma pessoa que revelou ser tudo aquilo durante uma campanha, mude instantaneamente, a partir do momento em que entre na Casa Branca.

      Eliminar