quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Last train


Quando não agimos, tudo permanece imutável, estagnado e inerte como uma linha sem vida.

Triste será a vida daqueles que não arriscam para não perderem aquilo que já perderam.

Presos numa significância vazia, não sabem quanto insignificante chega a ser a sua existência, estando esta constantemente ameaçada pela inércia que os acorrenta ao chão.

Julgam viver em felicidade quando no seu auge poderão apenas saborear uma subfelicidade. Um estado ocioso que mais não faz do que esgotar a sua força vital.

O tempo passa, as forças desvanecem e as desilusões acumulam-se. Naquele último instante de vida, olham para trás e afundam-se sob o peso do arrependimento de não terem apanhado aquele último comboio.

O que seguia por um trilho incerto em direção à felicidade. 


Fox

14 comentários:

  1. Respostas
    1. Não sei quem és L., como poderia destinar-te uma publicação? ;)

      Que te faz pensar que seria?

      No entanto, sei que muitos se conseguem rever nestas palavras. Infelizmente.

      Eliminar
    2. Eu sei q n publicas-te para mim, mas serviu q nem uma luva!

      L.

      Eliminar
    3. Se serviu, estás à espera do quê?

      Eliminar
    4. Ainda n consegui perceber se o q quero é "um largar tudo" e começar de novo... ou lutar pelo que queria e pensava q tinha...

      Quando dizes "não arriscam para não perderem aquilo que já perderam." não me sai da cabeça...

      Será que alguma vez tive? seria tudo ilusão?

      Já n sei distinguir a realidade da ilusão... e sinto-me estagnada por isso, por n csg perceber...

      L.

      Eliminar
    5. Afasta-te. Pensa. Decide.

      Por vezes necessitamos de uma certa distância das "coisas" para conseguir compreender aquilo que realmente nos é importante para seguir em frente. Normalmente ficamos tão habituados a certas pessoas ou a certas coisas que nem consideramos que podemos ser mais felizes sem elas. Daí o "não arriscam para não perderem aquilo que já perderam."

      Vamos protelando, protelando e destruindo o nosso interior ao longo do processo. Não é uma boa politica.

      Existe um exercício radical mas que nos pode ajudar a colocar tudo em perspetiva e mostrar o caminho certo. Uso-o muitas vezes.

      Se soubéssemos que morreríamos amanhã, o que faríamos com o tempo disponível?

      Eliminar
    6. Fugia pra bem longe...

      L.

      Eliminar
    7. Então "foge". Procura o teu espaço, o teu sossego e volta quando estiveres pronta a enfrentar as adversidades.

      Eliminar
  2. Por vezes nem nos damos conta que vivemos na inercia...
    a vida estes ultimos anos é uma correria, as pessoas ja nao param...
    e no fim como disses, vemos tds aqueles comboios que deviamos ter apanhado (mas que no meio de tanta correria nao notamos!)

    o teu texto é uma boa indicaçao que por vezes devemos parar min para ver o que estamos a perder!
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não damos conta? Quando acordamos de manhã e nos sentimos vazios apesar de termos tudo não é um sinal evidente?!

      A vida tem incrementado vertiginosamente o seu ritmo, é verdade mas nós temos a capacidade de dizer basta.

      Eliminar
    2. nao, nao damos conta...
      ha pessoas que se levam de manha e simplesmente ignoram este vazio... vivem feitos robos so para não sentir a dor e o sofrimento...
      é triste mas mtos so encontram esta forma de viver... melhor de sobreviver

      Eliminar
    3. Mas que existência tão mesquinha para o Humano. Não entendo como assim pode ser.

      Eliminar
  3. Ninguém pode ser feliz com medo, com receio de arriscar. Mas é mesmo preciso coragem para sair do lugar.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dos fracos não reza a história.
      Há que arriscar e perseguir aquilo que desejamos. Podemos não conseguir alcançar o nosso objetivo mas pelo menos tentamos. Não é isso que realmente importa? A nossa determinação em tentar mudar tudo?

      Eliminar