terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Sex VIII


Rodo a torneira e deixo que a água caia quente sobre os meus ombros. Fecho os olhos e deixo-me cair num transe relaxante.

Abres a porta e entras sorrateiramente sem fazer qualquer barulho. A graciosidade com que te moves esconde um porte felino e delgado. Aguardas encostada ao frio azulejo, enquanto me admiras por entre pequenas espirais de fumo quente.

Rodo novamente a torneira e abro os olhos. Sacudo a cabeça e desperto do entorpecimento que o calor me induziu no corpo. Vejo um vulto de formas curvilíneas atrás do vidro. Sorrio.

Abro a porta e vejo-te a morder o lábio. O teu olhar percorre as gotas de água que escorrem pela minha pele. Ajoelhas-te.

Agarro-te pelo cabelo num aperto forte e encaminho-te.


Fox

6 comentários:

  1. Ui!... Agora sou eu a precisar de um duche... Frio!

    (Pessoalmente, acho que este é o teu melhor texto do género. Talvez, também, porque aprecio particularmente o que descreves no final...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não estamos na melhor altura do ano para duches frios.

      Ah... Agora foste naughty... ;)

      Eliminar
    2. Foi uma força de expressão... Odeio água fria! Brrrr!

      Pois fui! ;)
      Não posso?

      Eliminar
    3. Oh cara Senhora, por quem sois! Fazei como vos aprouver. ;)

      Eliminar