sexta-feira, 16 de junho de 2017

Priest



Na altura, a minha observação da interação entre ambos fez-me soar os alarmes de suspeita. Havia ali uma familiaridade demasiado estranha mas dadas as circunstâncias, temos a tendência para negligenciar as sensações que se despertam.

Mais tarde, ela confirmou-me que tinha caído na cantiga dele. Várias vezes. E que não havia sido a única.

Não sei dizer se na altura terei ficado mais impressionado pelo comportamento dele ou dela. Será sem dúvida alguma, um tema de conteúdo sensível e possível de grande celeuma dentro da sociedade.

Esqueci-me de dizer que ele era Padre.


Fox

6 comentários:

  1. É só mais um caso. Na minha opinião, os Padres deveriam poder casar, assim acabava o tal "pecado" mais que recorrente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, talvez fosse a melhor solução. O erro reside em quebrar o compromisso que possuem. Isso é que será errado.

      Eliminar
  2. Para além disso alguns até tem a escola toda, ou quando muito uma grande lábia...
    Mas o problema ficaria resolvido com o fim dessa treta de os padres não se poderem casar. Abominável esta invenção religiosa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ao que me constou, este possuía bastantes recursos na arte...

      Realmente não faz muito sentido, uma vez que não será por essa razão que serão melhores "profissionais".

      Eliminar
  3. Se já nem os padres conseguem ser fieis, a eles próprios e a Deus, imagina o comum mortal... hoje em dia pode-se confiar em quem afinal?

    L.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Interessante esse ponto de vista.
      Se quem assume um compromisso dessa natureza não o consegue manter, que poderemos fazer nós quando em determinados momentos nem a fé nos vale?

      Eliminar